*
 

“Velejando Desertos Remotos”, espetáculo que fica em cartaz desta quinta-feira (6/10) até domingo (9/10) no Teatro Garagem, tem uma proposta ousada: transpor para os movimentos da dança contemporânea o livro “As Cidades Invisíveis”, do escritor italiano Ítalo Calvino.

À frente da missão está Marcos Buaiti, coreógrafo, professor, dançarino e designer gráfico. “Conheci o livro ainda na faculdade, à época da minha formatura, em 2007. Até esbocei alguns estudos coreográficos acerca do tema mas foram ainda tentativas muito iniciais”.

Uma dessas tentativas foi o espetáculo “Irene”, levado ao palco em parceria com dois colegas da Quasar Cia de Dança, da qual Marcos era então integrante. Outra foi “Os Lugares Sem”, em 2015. “Aí já me arrisquei um pouco mais e absorvi o livro por inteiro como referencial de pesquisa e investigação cênica e coreográfica”, ele conta.

Não tenho a pretensão de que possíveis leitores de Calvino identifiquem no palco cidades ou situações existentes no livro. Meu objetivo é que o público se relacione com a obra de dança em si, e aí sim, por sua força, sejam transportados para outros universos, lugares, sensações"
Marcos Buaiti, coreógrafo e bailarino

Surgiu daí o terceiro passo desse percurso criativo, “Velejando Desertos Remotos” — contemplado com o Prêmio Funarte de Dança Klauss Vianna 2014. O espetáculo fecha, assim, um ciclo de investigações e pesquisas de Marcos Buaiti.

O encenador agora segue os caminhos do grande viajante Marco Polo, personagem central do livro. A viagem e o deserto servem de metáfora para a descoberta da vastidão existente dentro de cada um, na cena ou fora dela.

Numa atmosfera onírica, emergem seres, gestos, relações entre viajantes que caminham em última instância sós, em busca de si mesmos. No palco, Marcos divide a cena com os bailarinos Iago Gabriel Melo e Vitor Hamamoto.

Durante a temporada no Garagem, após cada apresentação, o público poderá participar de bate-papos com o elenco e o diretor. Marcos Buiati é mestre em performances culturais pela Universidade Federal de Goiás e bacharel em dança pela Unicamp. Já atuou em companhias como a Edson Beserra e Seu Composto de Ideias (DF), Quasar Cia de Dança (GO) e Cia Fragmento de Dança.(SP).

“Velejando Desertos Remotos”
De quinta (6/10) a domingo (9/10), às 20h, Teatro Sesc Garagem (W4 Sul, 713/913). Entrada franca. Não recomendado para menores de 16 anos.

 

 

COMENTE

de graçaDançamarcos buaitivelejando desertos remotos
comunicar erro à redação