*
 

O deputado Marco Feliciano (PSC-SP) esteve, nesta quarta-feira (13/9), no Museu Nacional Honestino Guimarães para, segundo o parlamentar, apurar denúncias de que o local abrigava exposição “com conteúdo semelhante a do Santander Cultural”.

Ao Metrópoles, o próprio parlamentar e o diretor do museu, Wagner Barja, confirmaram a visita. Feliciano contou que a ida ao local foi realizada após ele e outros parlamentares receberem denúncia sobre o conteúdo da exposição “Não Matarás”.

Estivemos no Museu Nacional. Fomos averiguar uma denúncia de que a exposição era semelhante a do Santander. Não fizemos nada além de observar e confirmar que a informação era falsa. Não havia apologia a crime nenhum"
Marco Feliciano

Wagner Barja relatou que a visita ocorreu perto da hora do almoço. Feliciano e outros parlamentares foram recebidos por um mediador do museu e perguntaram se havia peças com conteúdo sexual na exposição. Ao receberem a negativa, o grupo teria ido embora. Eles ainda ouviram explicações sobre as obras em cartaz.

Não fecharia a exposição jamais. A arte é maior que a política dentro do museu"
Wagner Barja

De acordo com Feliciano, as denúncias foram feitas por membros do grupo de oração do qual o pastor faz parte. As reuniões ocorrem sempre às quartas-feiras pela manhã.

Conteúdo político
Nas redes sociais, circulou a informação de que os deputados teriam pedido o fechamento da exposição por conta do conteúdo político. Feliciano, porém, negou a informação. “Pura fofoca. Notícias fakes”, alegou o parlamentar.

A exposição “Não Matarás – Em Tempos de Crise é Preciso Estar com os Artistas” traz obras críticas ao período da ditadura militar no Brasil. Wagner Barja, curador da mostra, convidou 42 artistas brasileiros que têm peças sobre o tema. Entre eles, estão Paul Setúbal e Christus Nóbrega.

Santander cultural
A mostra “Queermuseu”, que ocupava o Santander Cultural em Porto Alegre, foi cancelada por causa da insatisfação de algumas pessoas que acusavam a exposição de incentivar à pedofilia, à zoofilia e blasfemar símbolos religiosos. O Movimento Brasil Livre (MBL) articulou os principais protestos contra a manifestação artística.

De acordo com o Santander Cultural, a exposição havia sido montada “para nos fazer refletir sobre os desafios que devemos enfrentar em relação a questões de gênero, diversidade, violência”. Porém, a instituição cedeu aos apelos dos grupos contrários à mostra. Em uma nota publicada nesse domingo (10), a instituição disse “que algumas das obras desrespeitavam símbolos, crenças e pessoas”.

Confira algumas das obras apresentadas na exposição do Santander:

 

 

COMENTE

museu nacional honestino guimarãesMarco Feliciano
comunicar erro à redação