*
 

O Ministério Público do Distrito Federal (MPDFT) nomeou Débora Aquino como a nova interventora da Faculdade Dulcina de Moraes e da Fundação Brasileira de Teatro (FBT). O nome da antiga coordenadora da Funarte era consenso entre o Movimento Dulcina Vive e os professores da instituição.

Débora assume o lugar deixado pela advogada Vanessa Ribeiro, afastada do cargo em abril após entrar em rota de colisão com estudantes e professores. A nova interventora será a responsável por conduzir as eleições e dar posse ao Conselho Gestor.

Por meio das redes sociais, Débora Aquino pediu apoio no desempenho da função e publicou a decisão da Juíza Marilza Neves Gerbrim, que a conduziu ao cargo.

Entenda o caso
Em fevereiro, o Movimento Dulcina Vive realizou uma assembleia com a comunidade local e decidiu ocupar o prédio que abriga a FBT e a Faculdade Dulcina de Moraes. Os estudantes da instituição e membros da comunidade artística alegavam que o Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) não estaria cumprindo as regras para a eleição do Conselho de Curadores — responsável por gerir a instituição.

A principal reivindicação do movimento era a presença da comunidade artística no Conselho. No entanto, a interventora judicial nomeada pelo MPDFT, Vanessa Ribeiro, se recusou a receber os alunos.

Vanessa é uma das delatoras da Operação Acrônimo e trabalhava como secretária de Benedito Rodrigues de Oliveira Neto. O empresário, dono da Gráfica Brasil, é apontado como pivô de um esquema de desvio de dinheiro público e financiamento ilegal de campanha, entre elas a de Fernando Pimentel (PT-MG) e da ex-presidente Dilma Rousseff.

 

 

COMENTE

teatroFunarteFaculdade Dulcina de Moraesdulcina viveDébora Aquino
comunicar erro à redação