*
 

Pioneira do rap feminino em Brasília, Vera Verônika milita como artista nos palcos e educadora em sala de aula. Desde que começou a carreira, no início dos anos 1990, viu muitas colegas abandonarem a música no meio do caminho. “Na minha época, várias começaram e pararam. Fazer rap é caro. E a gente acaba tendo mais estímulos para desistir do que para continuar”. Ela persistiu. E pretende, em novembro, gravar um DVD comemorando seus 25 anos de trajetória. Independente, o projeto recebe colaborações por meio de uma vaquinha online, que pretende juntar R$ 20 mil em doações.

Por ora, Vera vem gravando clipes para encorpar o registro. Serão 10 vídeos que, junto com as 15 músicas previstas no show, formam um painel de seus 25 anos de carreira. Para tal, a artista, também pedagoga e mestre em educação, tirou uma licença de dois anos do cargo de professora universitária para se dedicar ao projeto.

Nomes como Ellen Oléria, Código Penal, X (Câmbio Negro) e a americana Hope Clayburn devem participar da gravação, prevista para acontecer no Teatro Dulcina.

“Várias mulheres me procuram dizendo que começaram no rap porque me viram cantando. Outras ouviram a palavra empoderamento pela primeira vez comigo no palco”"
Vera Verônika
Dona Filmes/Divulgação

A rapper Vera Verônika: financiamento coletivo para bancar DVD comemorativo

 

Música e militância
“São muitas histórias para contar”, explica. Um livro-encarte deve acompanhar o DVD, narrando bastidores e inspirações de cada canção. Politicamente engajada, a rapper fez questão de levar suas bandeiras para a própria realização do trabalho: “Só mulheres trabalham na produção”.

Para o repertório do show, Vera pensa em desenhar um apanhado da carreira. “Vou desde a primeira música, lá em 1992, ‘Heroínas de Geração’, a canções que acabei de compor”.

No papel de pioneira, ela contabiliza 36 grupos de rap feminino em Brasília, entre grupos e trabalhos solo. Após dois discos de estúdio (2003 e 2012) e participações em outros oito álbuns, ela se orgulha de ser tratada como referência por novas gerações de mulheres.

“Várias meninas sempre me procuram dizendo que começaram no rap porque me viram cantando, me posicionando. Outras ouviram a palavra empoderamento pela primeira vez comigo no palco”, orgulha-se.

DVD “Vera Verônika – 25 Anos”
Financiamento coletivo pelo Vakinha. Data provável de gravação em novembro, no Teatro Dulcina.

 

 

COMENTE

raphip-hopvera verônikarap nacional
comunicar erro à redação