*
 

Quando Bell Marques deixou o Chiclete com Banana para seguir carreira solo, em 2014, muitos fãs ficaram sem chão. E não é para menos. No total, foram 32 anos de história a frente da banda e aproximadamente de 8 milhões de discos vendidos.

Quem viveu o auge da banda, entre os anos 1990 e 2000, sabe que ser fã do Chiclete com Banana era mais que um hobbie, era um estilo de vida. Os “chicleteiros”, como eram conhecidos os fãs do grupo, eram capazes de fazer verdadeiras loucuras para seguir atrás dos trios elétricos da banda.

Havia gente que não perdia (e ainda não perde) um carnaval em Salvador; que conheceu o cônjuge no Nana Banana ou no Camaleão (blocos da banda), matou trabalho para ir ao show, mentiu para os pais e e muito mais.

E há alguns itens que qualquer um desses fãs banda já teve ou conhece bem. Confira e veja se você é ou não um verdadeiro “chicleteiro”:

1- Adesivo com a pata do Camaleão
Este é um clássico. Muita gente ainda roda por aí com um desses colado no vidro do carro ou na janela do quarto. Era um brinde entregue junto com o abadá do Camaleão, bloco do carnaval de Salvador, comandado por Bell Marques, que desfila no circuito Barra/Ondina.

2- Trio T-Rex
O trio elétrico arrastou milhares (talvez milhões) de foliões no carnaval baiano durante seis anos. Era muito grande e considerado um dos mais sofisticados do país. Justamente por isso, acabou sendo descartado em 2013, pois era usado apenas pela banda e somente duas ou três vezes no ano.

3- Abadás
Todo “chicleteiro” que se preze teve um abadá dos blocos Nana Banana ou Camaleão. Entre a mulherada, a onda era customizar a blusa, seguindo uma modinha a cada ano. Alguns guardavam depois da folia, outros faziam questão de continuar ao longo do ano, sem se importar com as brincadeiras dos amigos.

4- Bandana
O acessório é a cara do cantor Bell Marques (alguém já viu o Bell sem bandana?). E os “bellzeiros” de plantão, claro, não deixam de usar o símbolo nos shows.

Fábio Cunha

5- Carteirinha de chicleteiro
Já ouviu a expressão “fã de carteirinha”? Talvez, tenha surgido daí. O arquivo rodava a internet e foi baixado por milhares de chicleteiros de todo o país. Há quem guarde até hoje.

Reprodução/Facebook

6 – CD É Festa!
Lançado em 1997, o álbum É Festa! vendeu que nem água, ganhou disco de platina e reuniu grandes sucessos da banda como “Meu cabelo duro é assim”, “Nana ê” e “Cara Caramba Sou Camaleão”. Verdadeiros hinos para os fãs.

Reprodução

Se você se identificou com essa relação de itens, vai gostar de reviver os maiores sucessos da banda no show da turnê “Só as antigas”, do cantor Bell Marques, que ocorre em 18 de março, na Praça das Fontes, no Parque da Cidade.

A turnê reúne músicas como “Colar do Oriente”, “Cara Caramba”, “Gritos de Guerra”, “Lindo é Viver” e “Ele Não Monta na Lambreta”.

Show “Só as antigas”
Dia 18 de março (sábado), na Praça das Fontes (Parque da Cidade)
Abertura dos portões às 17h. Ingressos a R$ 80 (pista); a R$ 130 (mulheres) e a R$ 150 (homens), para área Vip. Valores referentes à meia-entrada de 1º Lote. À venda pelo site da Bilheteria Digital.

 

 

COMENTE

bell marquesmusica baiana
comunicar erro à redação