*
 

Em outubro de 2015, uma drag com voz aguda publicou um clipe de uma versão de “Lean On” — o sucesso do momento. O estilo, a produção, tudo chamou atenção. Mesmo assim, era difícil imaginar que, em pouco mais de um ano, Pabllo Vittar se tornaria uma das cantoras mais tocadas do carnaval. A artista volta a Brasília, neste sábado (11/3), para o lançamento do disco “Vai Passar Mal”, no Espaço Secreto.

Do clipe de “Open Bar” até aqui, muito mudou na vida da cantora. Pabllo é vocalista da banda do programa “Amor & Sexo”, lançou um disco e viu “Todo Dia” como um verdadeiro hino LGBT durante os dias de folia. “É uma loucura, né? Claro que almejava e sonhava com tudo que está acontecendo, mas não esperava que fosse tão rápido”, revela, em entrevista ao Metrópoles.

Durante todo esse período, a cantora, dona de agudos fortes, pôde crescer muito como artista. Ela teve a oportunidade de trabalhar com o produtor internacional Diplo — que já colaborou com M.I.A, Madonna e Justin Bieber. “Foi tudo muito rápido e nos demos bem na mesma velocidade, então tudo fluiu de forma muito orgânica”, conta.

Durante o carnaval de 2017, Pabllo Vittar teve a chance de cantar, ao lado de Daniela Mercury, em cima de um trio em Salvador (BA). A artista aproveitou a oportunidade para divulgar o crescimento da cena drag — que conta com Lia Clark e a brasiliense Areturza Lovi.

Além da realização de um sonho, foi muito importante para mostrar que não estamos à margem de nada. Somos artistas talentosos e vamos ocupar o nosso espaço"
Pabllo Vittar

Pabllo lembra que não apenas as drags estão fazendo o trabalho de divulgar a cultura LGBT. Cita artistas como Liniker, Linn da Quebrada e As Bahias, e a Cozinha Mineira, que mostram novos aspectos das questões de gênero e sexualidade. “Essa cena sempre existiu, mas foi deixada de lado por grande parte da indústria. Agora não tem mais jeito, somos uma fatia importante”, opina.

 

 

COMENTE

Pabllo VittarEspaço Secreto
comunicar erro à redação