*
 

Oito estreias atualizam os cinemas de Brasília nesta quinta (8/9) pós-feriado. Destacados dos demais, dois filmes narram fatos pela ótica da comédia. Dirigido por Todd Phillips, da trilogia “Se Beber, Não Case!”, “Cães de Guerra” revisita a farra da venda de armas na época da Guerra do Afeganistão. Dois jovens, vividos por Miles Teller e Jonah Hill, emplacam um contrato milionário com o Pentágono.

Ambientado nos anos 1980, o nacional “O Roubo da Taça” reproduz o famoso episódio que resultou no sumiço do troféu Jules Rimet, prêmio entregue à seleção campeã da Copa do Mundo de Futebol. Taís Araújo encabeça o elenco sob direção de Caíto Ortiz.

As novidades da semana incluem mais opções para todos os públicos. “Herança de Sangue” marca o retorno de Mel Gibson aos filmes de ação, enquanto “Virei um Gato” pretende fisgar crianças e adultos. Com um trama de invasão, “O Homem nas Trevas” representa o mais recente hit do terror independente americano.

Nas salas do circuito alternativo, desembarcam o colombiano “A Terra e a Sombra”, vencedor do prêmio de longa de estreia no Festival de Cannes, “Últimos Dias no Deserto”, com uma história alternativa de Jesus Cristo, e o drama de guerra “Viva a França!”.

Veja horários e salas de todos os filmes em cartaz.

Confira detalhes sobre as oito estreias desta quinta (8/9):

“Cães de Guerra”
Em ano de eleições nos Estados Unidos, a comédia decide trazer à tona uma história bizarra sobre o envolvimento do país em conflitos no Oriente Médio. Miles Teller e Jonah Hill interpretam dois jovens que descobriram uma mina de ouro: contratos milionários de venda de armas para o exército e aliados que batalham na Guerra do Afeganistão.

Leia crítica

“Herança de Sangue”
De volta aos filmes de ação, Mel Gibson deixa um pouco de lado suas costumeiras declarações bombásticas para viver um pai de família que tenta proteger a filha de traficantes. Direção do francês Jean-François Richet, de “Assalto à 13ª Delegacia” (2005) e “Doce Veneno” (2015).

Veja detalhes

“O Homem nas Trevas”
Responsável pelo sangrento remake “A Morte do Demônio” (2013), o diretor uruguaio Fede Alvarez volta a provocar burburinho no terror independente. Três jovens invadem a casa de um homem rico e cego em busca de grana fácil. Assim que invade a residência, o trio se torna vítima do morador.

Veja detalhes

“O Roubo da Taça”
Em 1970, o Brasil conquistou o tri na Copa do Mundo e teve direito a assegurar a taça Jules Rimet em definitivo. Anos depois, já com o fracasso de 1982 tatuado na memória coletiva, o futebol canarinho sofreu mais um baque: o troféu foi roubado diretamente dos cofres da CBF. Pela via da comédia de época, o filme narra os bastidores de um histórico crime cometido por dois malandros endividados.

Veja detalhes

“A Terra e a Sombra”
Sempre forte nos festivais de arte, o cinema sul-americano costuma retratar seu cotidiano com estética realista e tons fatalistas. No drama colombiano, um trabalhador retorna para casa e precisa lidar com graves problemas familiares. Dirigido por César Augusto Acevedo, o filme conquistou o prêmio Câmera de Ouro em Cannes, honra destinada ao melhor filme de estreia exibido na mostra.

Veja detalhes

“Últimos Dias no Deserto”
A vida de Jesus Cristo costuma ser retratada no cinema sempre pelos mesmos episódios: nascimento, infância e crucificação/ressurreição. Aqui, o colombiano Rodrigo García narra os 40 dias de jejum que o Messias (Ewan McGregor) passou no deserto, atormentado por tentações e falsas promessas do Diabo.

Veja detalhes

“Virei um Gato”
Kevin Spacey larga por alguns instantes o papel de Frank Underwood da série “House of Cards” para viver um empresário que se vê preso no corpo do gato da família. A comédia tem direção de Barry Sonnenfeld, da trilogia “MIB – Homens de Preto”.

Veja detalhes

“Viva a França!”
Em 1940, época da invasão de tropas nazistas na França, moradores de uma vila decidem viajar por caminhos incomuns para se livrar dos ocupantes alemães. Uma das principais atrações do filme é a trilha do compositor italiano Ennio Morricone, que ganhou tardiamente seu primeiro Oscar em 2016, pela música de “Os Oito Odiados”.

Veja detalhes

 

 

COMENTE

estreiasprogramação de cinemafilmes
comunicar erro à redação