*
 

Embora esteja associada ao clima de antigos cabarés, a arte burlesca não é um show de strip-tease qualquer, tampouco uma dança de fetiche. Misto de comédia e sensualidade, ela surgiu na Europa do século 19, como uma vertente do teatro. É neste clima de sensualidade e fantasias que a festa “A Simetria” abre o ano de 2017, neste sábado (7/1), no Espaço Usina.

Essa forma de arte se diferencia do strip-tease convencional pelo contexto, o estilo, a intenção e o relacionamento com o público. Alguns definem o teatro burlesco como descendente direto da commedia dell’arte italiana. Por isso, a apresentação tem um caráter exagerado e personagens extravagantes.

Clara Angeleas

 

 

 

Com muito pop, rock e jazz, o evento traz dançarinos de burlesco para um show intimista. Entre as atrações, estão a Black Rainbow, integrante do The Burlesque Takeover; Lola Montès (foto acima) e Monroe La Von Tease (foto principal) — performers tradicionais do Nostalgique Cabaret. Por fim, Carol Freitas apresenta um estilo que mistura dança do ventre e tribal.

No som, tocam os DJs Mica e Rafa Campos, trazendo pop-rock, indie e swing. Mesmo não sendo obrigatório, o público é convidado a vestir a caráter, com moças de corset, plumas e cinta-liga. Os rapazes podem também usar roupas sensuais.

A Simetria
Sábado (7/1), na Usina — Centro de Arte e Entretenimento (SOFN Quad 01 Conj B Lote 12). Ingressos a R$ 40, até 0h, e a R$ 50, após. Somente para maiores de 18 anos

 

 

COMENTE

usinastrip-teaseBurlescoA Simetria
comunicar erro à redação