*
 

Quem costuma usar com frequência meios de transporte particulares como táxi, Uber e Cabify já deve ter enfrentado alguma dor de cabeça ao esquecer objetos dentro dos carros em que fizeram viagens. Um levantamento feito pela Uber aponta que celulares, chaves e carteiras são os itens que mais costumam ficar no veículo após a saída do passageiro. E, mesmo com a criação de mecanismos que facilitam a devolução dos pertences, muitas vezes os clientes acabam saindo no prejuízo.

Foi o caso do empresário Thiago Miranda, 31 anos, que já passou por essa situação mais de uma vez. Há três semanas, ele esqueceu uma chave de carro após viagem feita por meio do aplicativo Cabify. Ao perceber a falta do objeto, o empresário contatou a empresa que, alguns dias depois, respondeu afirmando que a chave não havia sido encontrada pelo motorista que o conduziu. “Uma nova custa R$ 3,8 mil na concessionária”, conta.

Nesta semana, uma situação parecida ocorreu. “Esqueci minha carteira com todos os documentos e cartões de crédito em um carro do Cabify. Entrei em contato com a empresa e, dois dias depois, eles me disseram que iriam verificar. Mas, até hoje, não tive resposta”, afirma.

Em casos de esquecimento de objetos, cada uma das operadoras possui um protocolo de atendimento específico. Na Uber, a devolução é feita principalmente por meio do contato entre passageiro e motorista, com o mínimo intermédio da empresa.

Para solicitar o retorno do objeto, o cliente deve ir ao menu “ajuda”. Lá, é preciso clicar na aba “relatar um problema com esta viagem” e, em seguida, em “itens perdidos”. A empresa aconselha os usuários a selecionarem a opção “entrar em contato com o motorista sobre um item perdido”, na qual inserem o próprio número de telefone e conseguem ligar para o condutor por meio do aplicativo.

Caso não tenha sucesso em falar com o prestador do serviço em até 24 horas, existe ainda a opção de contatar a própria Uber. Nesse caso, o usuário deve fazer uma descrição minuciosa do item esquecido, e a empresa vai tentar falar com o motorista. Segundo a Uber, as cidades de São Luis (MA), Itajaí (SC) e Belém (PA) são as que possuem mais registros de objetos esquecidos no país. Já o dia em que mais pertences são reclamados é o domingo.

Cabify
No Cabify, o procedimento é um pouco diferente. Segundo a empresa, em casos de esquecimento de objetos, os motoristas são instruídos a levarem os pertences aos escritórios centrais da companhia, onde são registrados. O cliente então deve entrar em contato com o escritório regional do Cabify e informar a perda.

Caso o objeto seja encontrado, a empresa entra em contato com o cliente, que pode recuperar o item comparecendo ao escritório da companhia, desde que avise a equipe local “com bastante antecedência”. Em outros países, é possível receber o pertence por meio do Cabify Express, que funciona como um serviço de entregas. A modalidade, no entanto, ainda não está disponível no Brasil.

Táxi
Os usuários de táxi no Distrito Federal também possuem um mecanismo para facilitar a devolução de objetos esquecidos. A Secretaria de Mobilidade do DF (Semob-DF) mantém o serviço de auxílio ao cidadão para lidar com casos do tipo.

Se o passageiro deixar algum objeto dentro do carro, pode entrar em contato pelo telefone (61) 3363-7533 e informar o ocorrido, com o máximo de detalhes sobre o veículo, bem como o ponto de origem e trajeto percorrido. Dados como o número da autorização do táxi também ajudam na identificação para a localizar os pertences.

As informações, então, são cruzadas pelo sistema da pasta, que contém os dados sobre todos os permissionários de táxi do DF. De acordo com a Lei Distrital n° 5.323/2014, o taxista deve levar o item esquecido à sede da secretaria em até 24 horas. Caso não cumpra, pode ser punido com sanções que vão de advertência até a cassação da permissão.

 

 

COMENTE

taxiUberCabifydevolução de objetos
comunicar erro à redação