*
 

A defesa do ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) Admar Gonzaga Neto, 56 anos, se manifestou sobre a ocorrência registrada pela mulher dele, Élida Souza Matos, na 1ª Delegacia de Polícia (Asa Sul). Ela contou ter sido agredida e xingada pelo magistrado na madrugada desta sexta-feira (23/6), conforme revelou o Metrópoles. Sem negar o ocorrido, o advogado Antônio Carlos de Almeida Castro, mais conhecido como Kakay, afirmou em nota que o casal “lamenta profundamente” a situação e que “o incidente não passou de um desentendimento, com exasperação de ambos os lados”.

O advogado destacou que o momento é de “intimidade” e “privacidade do casal” e está sendo tratado “estritamente no âmbito familiar”.

A mulher contou aos policiais que o magistrado a teria agredido, causando-lhe um ferimento no olho, durante uma discussão na casa do casal, no Setor de Mansões Dom Bosco, no Lago Sul. O caso está sendo tratado como violência doméstica, injúria e lesão corporal. Elida disse que foi xingada por Admar, com quem convive há mais de dez anos.

Segundo ela, o marido chegou a dizer que “você não serve nem pra pano de chão”. A mulher acusou o magistrado de ter jogado enxaguante bucal nela. A Polícia Militar foi acionada e a levou à delegacia. Após registrar o BO, a mulher teria requerido medidas protetivas. Admar Gonzaga não foi à delegacia e a investigação será enviada ao Supremo Tribunal Federal (STF), já que ele tem foro privilegiado.

Na noite da agressão, o casal jantou na casa da ex-ministra do TSE Luciana Lóssio. No petit comité, estavam outros magistrados, que não notaram qualquer animosidade entre Admar e Élida.

A reportagem esteve na casa do casal e não conseguiu contato nem com o ministro nem com a mulher. O TSE informou que não compete à Corte tomar providências com relação ao caso e que a investigação será enviada ao Supremo Tribunal Federal (STF), já que ele tem foro privilegiado. Admar Gonzaga não foi à delegacia.

Uma testemunha contou à polícia que embora não tenha presenciado agressão, ouviu gritos do ministro chamando a mulher de “vagabunda” e dizendo “quero que você saia de casa para eu te ver na sarjeta”.  Afirmou, ainda, que Admar seria uma “pessoa controladora” e usaria “seu status de ministro para subjugar a vítima, que é dona de casa”.

O magistrado participou do julgamento da cassação da chapa Dilma Rousseff-. Ministro substituto do tribunal desde junho de 2013, Admar Gonzaga Neto assumiu a vaga deixada pelo ministro Henrique Neves. A nomeação foi assinada em 31 de março. Natural da cidade do Rio de Janeiro, o magistrado nasceu em 1969 e atua na área eleitoral desde 1993. É membro do Instituto Brasileiro de Direito Eleitoral, autor de livros, professor e palestrante.

Confira a íntegra da nota divulgada pelo advogado do casal:

O casal Élida Souza Matos e Admar Gonzaga Neto lamenta profundamente e pede desculpas a seus familiares e amigos pelo incidente ocorrido, que não passou de um desentendimento, com exasperação de ambos os lados.

Esclarece ainda que o fato noticiado pela imprensa está sendo tratado pelo próprio casal estritamente no âmbito familiar e que buscará o melhor entendimento e pleno resguardo da integridade de ambos. Nesse momento delicado, pede a todas e todos compreensão e que respeitem a intimidade e a privacidade do casal.

Antônio Carlos de Almeida Castro, advogado

 

 

 

COMENTE

TSEViolência domésticaagressãoadmar gonzagaèlida souza matos
comunicar erro à redação