*
 

A morte da analista do Ministério da Cultura e mestranda da Universidade de Brasília (UnB) Maria Vanessa Veiga Esteves, 55 anos, chocou amigos e colegas de trabalho da mulher, que entregou a bolsa e o celular aos bandidos e, mesmo assim, foi esfaqueada nas costas e não resistiu aos ferimentos.

“Vanessa sempre estampou um belo sorriso no rosto e nunca hesitou em ajudar e animar os colegas com suas constantes palavras de incentivo e seu abraço carinhoso”, destaca nota de pesar emitida pelo Programa de Pós-Graduação em Comunicação e a Direção da Faculdade de Comunicação da Universidade de Brasília. Alunos e professores se reuniram em uma sala de aula e choraram a morte da amiga na manhã desta quarta (9/8).

No Ministério da Cultura, o clima também era de pesar. Colegas de repartição lembraram que Maria Vanessa estava muito feliz, já que tinha recebido um convite para uma apresentação em Portugal. “Ela era bastante respeitada pelo conhecimento que detinha e pela própria pessoa amável e incrível”, afirmou o secretário do Audiovisual do MinC, João Batista Silva.

“Foi uma crueldade o que fizeram, porque ela não esboçou nenhuma reação”, disse Wanderlan Fernandes Guedes Filho, que trabalhava com a vítima.

O governador Rodrigo Rollemberg (PSB) lamentou a morte da servidora do MinC e afirmou ter determinado à Secretaria de Segurança e da Paz Social urgência na elucidação do crime e na prisão dos assassinos. “É inaceitável o que ocorreu”, disse.

O crime
Maria Vanessa foi assassinada por volta das 23h desta terça-feira (8/8), quando chegava em casa, na 408 Norte. Segundo informações da Polícia Militar, ela foi abordada por dois homens no estacionamento do bloco em que residia. Os bandidos pediram a bolsa dela. Mesmo não reagindo, a mulher foi atingida por golpes de faca e não resistiu.

Vanessa tinha um contrato temporário e estava no MinC desde 2013, na Secretaria de Audiovisual. A família virá de Juiz de Fora (MG) e deve realizar o enterro na cidade mineira. Segundo a coordenação de audiovisual, Vanessa soube nesta terça (8) que um trabalho seu tinha sido aprovado para apresentação em um simpósio em Portugal e ela estava superfeliz.

O Sindicato dos Jornalistas do Distrito Federal também lamentou o ocorrido. “Em um contexto crescente de assassinato de mulheres, o sindicato exige das autoridades públicas do DF uma investigação transparente e a responsabilização dos envolvidos no crime”, diz um trecho da nota.

Confira a íntegra das notas:

Sindicato dos Jornalistas:

O Sindicato dos Jornalistas Profissionais do DF manifesta seu profundo pesar diante do assassinato da jornalista Maria Vanessa Veiga Esteves. Ela foi vítima de latrocínio na noite dessa terça-feira (08), quando chegava na sua residência, na Asa Norte. Mesmo sem oferecer resistência à abordagem dos assaltantes, Vanessa foi golpeada e não resistiu aos ferimentos. As circunstâncias do crime estão sendo investigadas pela Polícia Civil do Distrito Federal.

Admiradora da cultura, das artes e crítica do desmonte das políticas culturais, a jornalista possui vasta experiência em televisão. Foi coordenadora de programação do Canal GNT e da programação internacional dos canais Globo Internacional e Globosat, além de editora da TV Cultura e da TV Manchete, entre outros cargos.

Atualmente Vanessa ocupava o cargo de analista no Ministerio da Cultura (MinC), na Secretaria do Audiovisual, na análise de projetos culturais patrocinados pela Lei Rouanet. Também cursava o Programa de Pós-Graduação em Comunicação, na Faculdade de Comunicação da Universidade de Brasília (UnB).

Em um contexto crescente de assassinato de mulheres, o Sindicato também exige das autoridades públicas do DF uma investigação transparente e a responsabilização dos envolvidos no crime.

Aos familiares e amigos, sentimos profundamente a perda desta grandiosa jornalista e nos colocamos à disposição para quaisquer auxílios.

Faculdade de Comunicação da UnB:

É com muita tristeza e pesar que o Programa de Pós-Graduação em Comunicação e a Direção da Faculdade de Comunicação da Universidade de Brasília comunicam o falecimento da estudante de mestrado Maria Vanessa Veiga Esteves.

Vanessa sempre estampou um belo sorriso no rosto e nunca hesitou em tentar ajudar e animar os colegas com suas constantes palavras de incentivo e seu abraço carinhoso. Os professores, os funcionários, os alunos do Programa de Pós-graduação e a direção da Faculdade de Comunicação lamentam a perda desta inestimável colega e amiga com a certeza de que a sua memória estará sempre presente nos corações dos que tiveram o privilégio de conviver com Vanessa.

 

Ministério da Cultura:

O Ministério da Cultura manifesta pesar pelo falecimento da servidoraMaria Vanessa Veiga Esteves, 55 anos, morta em um assalto na noite desta terça-feira (8), quando chegava em casa, na quadra 408 Norte, em Brasília (DF).

Maria Vanessa era servidora temporária do MinC desde maio de 2013 e estava lotada na Secretaria do Audiovisual (SAv).

Formada em Comunicação Social e mestranda em Jornalismo na Universidade de Brasília (UnB), a servidora era analista de projetos culturais da Lei Rouanet e tinha vasta experiência na área de TV. “Ela era bastante respeitada pelo conhecimento que detinha e pela própria pessoa amável e incrível”, afirmou o secretário do Audiovisual do MinC, João Batista Silva.

O gerente do passivo da SAv, Wanderlan Fernandes Guedes Filho, afirmou que todos os colegas estão consternados com a notícia. “Ela estava cheia de planos e feliz por ter tido a notícia de que um de seus trabalhos foi aprovado para ser apresentado em um simpósio em Portugal. Foi uma crueldade o que fizeram, porque ela não esboçou nenhuma reação”, disse.

Considerada uma colega maternal e acolhedora, a mineira de Juiz de Fora morava sozinha em Brasília. A família ainda não informou acerca do velório e enterro da servidora.

Assessoria de Comunicação
Ministério da Cultura

 

 

COMENTE

UnBAsa Norteministério da culturalatrocínioassassinato408 nortemaria vanessa viega esteves
comunicar erro à redação