*
 

O governador Rodrigo Rollemberg (PSB) partiu para o confronto e atacou sindicatos ligados à área da saúde nesta sexta-feira (16/6). Durante evento em Ceilândia, o socialista esbravejou e culpou as entidades pela falta de médicos nos hospitais. Disse também que eles atuam contra a população e estão “nadando em dinheiro”.

Se está faltando médico nos hospitais, veja
quanto ganha o presidente do Sindicato dos Médicos [Gutemberg Fialho], sem trabalhar. Veja quanto é o salário dele. Na rede privada ele trabalha, mas na rede pública ele não trabalha. São essas pessoas que estão impedindo o governo de melhorar a saúde"
Rodrigo Rollemberg, governador de Brasília

No vídeo, Rollemberg critica a postura das entidades e as responsabiliza pela privatização da saúde no DF. “Elas não sobrevivem se a saúde estiver boa. Só sobrevivem no caos”, complementa.

Em outro trecho, o governador defendeu a mudança na gestão e a criação do Instituto Hospital de Base do Distrito Federal, fato que tem sido chamado de privatização pelos sindicalistas.

O desabafo do governador ocorreu na manhã desta sexta (16) durante a entrega de escrituras aos moradores do Sol Nascente e da QNR 356, ambos em Ceilândia. O Metrópoles procurou o SindMédico e o Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos de Serviços de Saúde de Brasília (SindSaúde) para comentar as acusações de Rollemberg.

Gutemberg Fialho, presidente do SindMédico, está fora de Brasília e informou que só falará sobre o assunto quando retornar de viagem. Já a presidente do SindSaúde, Marli Rodrigues, aproveitou a ocasião para criticar Rollemberg. Para ela, o governador “está sendo pressionado pelos seus apoiadores e financiadores de campanha”. “Não adianta achar artifícios para pagar a conta de campanha e empregar cabos eleitorais”, disse.

Em fevereiro deste ano, o Ministério Público do DF e Territórios (MPDFT) divulgou o resultado de um levantamento feito em conjunto com seis conselhos profissionais de saúde em hospitais da capital federal. Veja o resultado:

 

 

IHBB
Outro ponto abordado por Rollemberg nesta sexta (16) foi o Projeto de Lei n° 1.486/2017, que cria o Instituto Hospital de Base de Brasília (IHBB). Segundo o socialista, a proposta é uma “necessidade”. A votação deve ocorrer na Câmara Legislativa na próxima terça-feira (20).

“Essa é uma necessidade para Brasília. O instituto será 100% público e o que queremos, com o novo modelo de gestão, é garantir processos mais rápidos na compra de medicamentos, na reforma dos equipamentos e na substituição de pessoal quando necessário”, comentou.

Essa não é a opinião de parte dos distritais. Ainda na sessão da última terça-feira (13), Cláudio Abrantes (sem partido) disse que o projeto apresentava uma série de “equívocos”. Um deles consiste na isenção de tributos para quem assumir a gestão da unidade.

Em contrapartida, deputados da base, como Agaciel Maia (PR), afirmam que a mudança no sistema faria do Hospital de Base uma instituição parecida com o hospital Sarah Kubitschek.

Debate
O projeto de criação do Instituto Hospital de Base de Brasília foi entregue pelo próprio governador em meados de março deste ano. Desde então, a Câmara Legislativa convidou membros do Executivo e representantes da sociedade e dos servidores da unidade para debater o assunto.

A Secretaria de Saúde quer celebrar um contrato de gestão com o instituto por 20 anos. A pasta vai definir os termos, com discriminação das atribuições, responsabilidades e obrigações da entidade que assumir o hospital, caso o projeto seja aprovado. A execução será fiscalizada pelo Tribunal de Contas do DF (TCDF). (Com informações da Agência Brasília)

 

 

COMENTE

rollembergcrise na saúdesindicatos
comunicar erro à redação