*
 

O Conselho Regional de Medicina (CRM) abriu investigação para apurar o envolvimento de médicos brasilienses na máfia das próteses, que movimentou milhões de reais em cirurgias, equipamentos e propinas, lesando pelo menos 60 pacientes no Distrito Federal apenas este ano. Segundo a Polícia Civil, o grupo tentou matar uma paciente que ameaçava denunciar a quadrilha, deixando um arame de 50cm na jugular dela. Além disso, há casos de cirurgias sabotadas, utilização de produtos vencidos e troca de próteses mais caras por outras baratas.

Em nota assinada em conjunto com o Conselho Federal de Medicina (CFM), a entidade informou que a sindicância vai apurar a denúncia “do ponto de vista ético e profissional, cujos indícios, se confirmados, podem dar origem a processo contra os médicos envolvidos, que ficam passíveis a penalidades previstas em lei específica, também sendo garantido a eles – em todas as etapas – amplo direito à defesa e ao contraditório.”

Foram cumpridos mandados contra os médicos Marco de Agassiz Almeida Vasques, Henry Greidinger Campos, Rogério Gomes Damasceno, Juliano Almeida e Silva, Wenner Costa Catanhêde, Leandro Pretto Flores, Cícero Henrique Dantas Neto, Antônio Márcio Catingueiro Cruz, John Wesley (foto de destaque) e Rondinelly Rosa Ribeiro.

De acordo com os artigos 68 e 69, do Código de Ética Médica, é proibido à categoria a interação com qualquer segmento da indústria farmacêutica e de outros insumos para a saúde com o intuito de manipular, promover ou comercializar produtos por meio de prescrição. As duas entidades ressaltam, entretanto, que os fatos devem ser apurados com rigor e critério pelas autoridades policiais competentes, “evitando-se pré-julgamentos e a estigmatização gerados pela ampla repercussão do caso”.

Os conselhos destacam, ainda, que já haviam solicitado às autoridades competentes (Ministério da Saúde, Agência Nacional de Saúde Suplementar e Agência Nacional de Vigilância em Saúde), a criação de mecanismos para regular a questão das próteses e órteses, por meio da fixação de preços para o segmento, a chamada precificação.

Na avaliação das entidades, assim haveria maior transparência nas negociações com fornecedores; aumento do controle do comportamento dos preços no mercado, oferta de subsídios aos gestores na tomada de decisão; e redução da possibilidade de lucros abusivos e exorbitantes.

Operação
Segundo as investigações, uma empresa, a TM Medical,  fornecia órteses, próteses e equipamentos à organização criminosa. Quanto mais materiais caros eram usados em cirurgias para colocação de órteses e próteses, maior era a propina recebida pelos médicos, que chegavam a ganhar 30% extras sobre o valor pago pelos planos de saúde pela intervenção nos pacientes.

Além dos pacientes, que correm risco de sofrer sequelas provocadas pelas lesões intencionais, o outro alvo do esquema são os planos de saúde, que acabavam pagando mais caro por uma cirurgia que não necessitaria de órteses ou próteses. A propina geralmente era paga por depósito nas contas dos médicos ou então entregues em espécie nas proximidades dos hospitais onde ocorrem as cirurgias.

 

 

COMENTE

Máfia das Prótesesconselho regional de medicina
comunicar erro à redação