*
 

A denúncia de parentes e amigos de pacientes de que o ar-condicionado da Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital de Base do Distrito Federal (HBDF), o maior de Brasília, estava com defeito comoveu Marco Antônio de Souza, 49 anos. Dono de uma empresa de assistência técnica, ele se prontificou a consertar o equipamento, e de graça.

Marco Antônio teve conhecimento da situação por meio da reportagem do Metrópoles, publicada nesta sexta-feira (6/1) e destacada no começo da manhã na Rádio OK, pela editora do portal Maria Eugênia. “Eu ouvi o rádio e logo pensei que podia ajudar”, disse o homem, que mora em Samambaia.

Logo que ouviu o relato, ele se colocou no lugar das pessoas que estão internadas na UTI e dos parentes. “Tenho uma mãe doente, cardíaca, que está sempre está internada em hospital público também. A situação da saúde no DF está péssima. Não dá para depender do governo e, nesse caso, posso contribuir com meu serviço. Só quero ajudar”, explicou Marco Antônio, que é dono da Ar Cold.

Em nota, a Secretaria de Saúde informou que o ar-condicionado da UTI do Hospital de Base voltou a funcionar plenamente na quinta-feira (5) à tarde. “A direção esclarece que a Comissão de Controle de Infecção Hospitalar acompanhou a situação de cada paciente internado e não houve prejuízo à saúde de nenhum deles”, disse a pasta.

A informação, no entanto, contradiz com a repassada pelos parentes dos pacientes ao Metrópoles. Durante o horário de visita, no fim da tarde de quinta (5), eles não só relataram que os funcionários estavam passando soro fisiológico para resfriar o corpo dos pacientes como tiraram foto das janelas abertas na UTI para refrescar o ambiente.

 

 

COMENTE

hospital de basear-condicionado
comunicar erro à redação