*
 

O Centro Espírita Afro-Brasileiro Ilé Axé Iemanjá Ogum Té, de Mãe Noêmia Ferreira, localizado em Valparaíso, Goiás, foi invadido e depredado durante a madrugada da última terça-feira (8/3), enquanto a principal representante da casa não estava presente.

Segundo informações da Fundação Cultural Palmares, as árvores sagradas e a flora do local foram totalmente destruídas, assim como os altares e as Casas dos Santos, onde os objetos se encontravam.

Os denunciantes registraram um boletim de ocorrência na 2ª Delegacia de Polícia de Valparaíso acompanhados de representantes da Fundação Palmares. O Ministério Público do Estado de Goiás também foi acionado e uma perícia já foi feita no local.

Emiliane Guedes/Fundação Cultural Palmares

A luta contra a intolerância religiosa tem sido árdua. Recentemente, um terreiro em Santo Antônio do Descoberto foi incendiado e atacado outras duas vezes em menos de um ano. No início de fevereiro, um laudo do Corpo de Bombeiros afirmou que o fogo que destruiu o terreiro Ylê Axé Oyá Bagan, no Paranoá, teve início após um curto-circuito.

Embora o laudo conclua a ausência de um crime de intolerância religiosa, os responsáveis pela casa não concordam com essa teoria. A presença de objetos caídos como se tivessem sido lançados no chão pela força humana impulsionam essa incredulidade.

 

 

COMENTE

terreiroIntolerância religiosafundação palmares
comunicar erro à redação