*
 

A recente confissão dos donos da JBS de que operam no mundo do crime pagando propina a políticos e servidores do alto escalão há pelo menos dez anos coloca em suspeição todas as doações feitas pelo grupo. Em 2014, a campanha de Rodrigo Rollemberg (PSB) ao governo do Distrito Federal recebeu R$ 852.831,75 da empresa. A quantia foi repassada em 41 transações atípicas. Chama atenção que os valores variam de R$ 6,54 a R$ 450 mil.

Na prestação de contas apresentada pelo político socialista ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), aproximadamente R$ 400 mil aparecem como repasse da direção distrital do PSB. As 41 transações que perfazem a soma, no entanto, têm como doador originário a JBS SA.

Os repasses foram feitos de maneira oficial entre julho e novembro de 2014, e a maioria deles em valores fracionados. Alguns depósitos da JBS para o partido que elegeu Rollemberg aparecem em quantias irrisórias, um deles no valor de R$ 6,54. O maior volume repassado, R$ 450 mil, foi doado diretamente pela empresa à campanha do socialista em 24 de outubro, por meio de transferência eletrônica.

“Não é normal, mas não é ilegal”
O repasse pulverizado que soma mais de R$ 400 mil a Rollemberg em 41 transações é tido como atípico. Segundo o professor de direito eleitoral do IDP Daniel Falcão, empresas costumam fazer significativas doações durante as campanhas, mas não dessa forma tão fracionada. O fato de o repasse ter sido realizado pela direção distrital não muda o cenário.

“Nas análises de prestação de contas que fiz, nunca vi uma doação tão repartida e com valores tão discrepantes”, disse o professor.

Em nota, a assessoria do governador informou que “toda doação de campanha recebida pelo então candidato Rodrigo Rollemberg aconteceu de forma legal. As contas de campanha já foram aprovadas pelo Tribunal Regional Eleitoral”. O GDF informou ainda que, apesar de a doação original ter sido da JBS, os recursos foram repassados pelo PSB-DF para arcar com despesas da campanha do socialista. “O PSB-DF realizou diversos pagamentos da campanha do candidato, como prevê a lei. Daí apareceram na prestação de contas pagamentos de valores variáveis — pequenos e médios — de despesas como contas telefônicas a materiais gráficos”, concluiu a nota.

Além das doações da JBS, a campanha de Rollemberg recebeu, em 2014, R$ 1,7 milhão em repasses de três empreiteiras que estão no olho do furacão da Lava Jato: R$ 200 mil da Odebrecht; R$ 500 mil enviados para ele por meio da direção do partido, mas tendo a Andrade Gutierrez como doadora originária; e R$ 1 milhão da Via Engenharia, cujo montante foi pago por meio de transferência eletrônica.

Sobre as doações das empreiteiras, a equipe do governador declarou que “todo o dinheiro recebido pela campanha dele foi registrado na Justiça Eleitoral”.

Bancada do DF
O apoio financeiro da JBS também chegou às campanhas de outros parlamentares do DF em 2014. Na Câmara Legislativa, dois distritais foram beneficiados com recursos do grupo. No Congresso, dos oito deputados federais eleitos pelo DF, um também declarou o recebimento de dinheiro originário da empresa. Todos os três são pastores e integram bancadas evangélicas. O total das doações para eles ficou em R$ 119.240,00.

No Senado, apenas José Antônio Reguffe (sem partido) foi eleito em 2014 pelo Distrito Federal. Ele não recebeu doações da JBS.

O que teve o maior aporte da empresa dos irmãos Joesley e Wesley no DF foi Ronaldo Fonseca (PROS). Eleito para a Câmara dos Deputados com 84.583 votos, ele recebeu R$ 75 mil. O dinheiro foi repassado pela direção nacional do partido em duas vezes: um cheque de R$ 50 mil, entregue em 8 de outubro; e um depósito de R$ 25 mil, no dia 31 de outubro de 2014, após a eleição.

Entre os distritais, o maior beneficiado com recursos da JBS foi Rodrigo Delmasso (Podemos). Dos R$ 244.503,93 gastos por ele na campanha, R$ 34.695 tiveram a empresa como doadora original. Foram quatro repasses feitos por meio do ex-deputado federal Vitor Paulo Araújo dos Santos. Os dois primeiros – R$ 6.195 e R$ 4.750 (no dia 11 de agosto de 2014) – e os outros, de R$ 19,8 mil e R$ 3,9 mil,  em 1º de outubro.

Julio Cesar (PRB), o mais votado para a Câmara Legislativa, conseguiu R$ 9.545 da JBS. O valor também foi repassado a ele por meio do ex-deputado Vitor Paulo. Assim como Delmasso, o parlamentar recebeu a quantia em quatro parcelas: duas — R$ 1,6 mil e R$ 4,2 mil — em 3 de setembro de 2014; e o restante — R$ 245 e R$ 3,5 mil — em 1º de outubro.

Ao Metrópoles, Ronaldo Fonseca afirmou que não sabia até hoje de quem era a doação. “Quando terminaram as eleições, fiquei com dívidas e o diretório fez os repasses. Não conheço os donos da empresa e nunca pedi dinheiro para eles. Achava até hoje que era dinheiro do fundo partidário. Estou sabendo por vocês que era doação da JBS”, justificou o deputado.

Por meio da assessoria de imprensa, Rodrigo Delmasso esclareceu que os recursos chegaram até ele por meio de material de campanha e que só ficou sabendo a origem da doação quando fez a prestação de contas. Em nota, Julio Cesar disse que recebeu repasses oficiais, que foram devidamente contabilizados e aprovados pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE).

Novas gravações
A nova bomba que abalou o mundo político em terras tupiniquins explodiu nesta quarta-feira (17/5). Em uma gravação feita por Joesley Batista, dono da JBS, em março deste ano, Temer dá aval para que o silêncio do ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha (PMDB-RJ) seja comprado.

Na delação, Joesley ainda relata que o senador Aécio Neves (PSDB) teria pedido R$ 2 milhões ao empresário. O dinheiro teria sido entregue a um primo do tucano, e a cena filmada pela Polícia Federal. Ainda segundo O Globo, a PF rastreou os recursos e descobriu que eles foram depositados em uma empresa do senador Zezé Perrella (PSDB-MG).

Segundo estimativas da força-tarefa que ouviu os irmãos JBS, eles podem ter pagado propina a cerca de 1.890 políticos.

 

 

 

COMENTE

Rodrigo RollembergjbsPalácio do BuritiGoverno do DFdoação eleitoral
comunicar erro à redação