*
 

O ex-senador Gim Argello afirmou em conversa gravada pela deputada distrital Liliane Roriz (PTB) que a presidente afastada da Câmara Legislativa, Celina Leão (PPS), recebia R$ 420 mil mensais em um suposto esquema no Detran. Contou, ainda. que a deputada denunciada por corrupção passiva na Operação Drácon teria participação em um suposto esquema envolvendo a publicidade da CLDF.

“O Detran fez um acerto com a Celina para todo mês… vão pedir lá R$ 420 mil pago pra ela, todo mês isso. É um esqueminha que pagam para ela todo mês isso, entendeu? Outro esqueminha é que pagam na publicidade da Câmara, mas não sei o quê”, afirmou o ex-senador.

Na montagem do governo de Rodrigo Rollemberg (PSB), quando ainda era aliada do Palácio do Buriti, Celina teria indicado nomes para cargos importantes no Detran, entre eles o diretor do órgão, Jaime Amorim.

Ela emplacou também Alcidino Vieira na chefia da Procuradoria-Jurídica do departamento, irmão do braço direito da parlamentar, Sandro Vieira.  Alcidino foi exonerado em junho, quando a então presidente do Legislativo local rompeu com o Palácio do Buriti.

Confira a conversa entre Liliane e Gim:

 

A gravação consta dos arquivos encontrados pelo Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) no celular de Liliane, colaboradora da Operação Drácon, que investiga a destinação de emendas parlamentares em troca de propina.

A conversa ocorreu no dia 4 de abril deste ano, oito dias antes de Gim ser preso pela Lava Jato, acusado de cobrar propina de empreiteiras para não convocá-las para depor da CPI da Petrobras, quando ainda era senador. Ao longo do bate-papo, que durou quase uma hora e meia, Liliane apenas ouve, concorda e ri do que Gim fala.

O outro lado
Ao Metrópoles, Celina Leão negou participar de qualquer tipo de esquema no órgão e que tenha indicações no governo. “Não tenho ingerência alguma no Detran. Eu desminto o que foi dito nessa conversa. É fofoca, e fofoca de um ex-senador que, por sinal, está condenado em outras acusações”, desabafou, em referência à condenação de Argello na Operação Lava Jato.

A parlamentar argumenta que em outro grampo feito por Liliane, sua oponente chegou a lhe perguntar se ela tinha relações com o Detran. “Eu disse que não e olha que nem sabia que estava sendo gravada”.

Na conversa, Celina cita o nome de Jaime Amorim e em seguida emenda: “Ele (o governador) nomeou e nem me chamou… o cara acha que não fui eu quem nomeou…” A distrital do PPS afirma, ainda, que Rollemberg “não me atende”, “não deixa ficar comigo”.

Confira o trecho da conversa entre Celina e Liliane:

 

A assessoria de Liliane Roriz foi procurada, mas disse que ela não iria se manifestar sobre o assunto. O GDF não havia se pronunciado até o fechamento desta reportagem. O advogado de defesa de Gim Argello, Marcelo Bessa, afirmou que também não falaria sobre o conteúdo das gravações.

 

 

COMENTE

Celina LeãoLiliane Rorizgim argellooperação drácon
comunicar erro à redação