*
 

O Conselho de Ética da Câmara dos Deputados abriu processo contra o deputado federal Laerte Bessa (PR-DF) nesta quarta-feira (23/11). O colegiado vai apurar se o parlamentar quebrou o decoro ao chamar o governador do DF, Rodrigo Rollemberg, de “safado”, “bandido”, “maconheiro”, “frouxo” e “cagão”, durante discurso no plenário da Casa.

O procedimento é fruto de uma representação apresentada pelo partido de Rollemberg, o PSB, que pede a cassação do deputado. Um sorteio definiu três possíveis relatores para o processo: os deputados Alberto Filho (PMDB-MA), Carlos Marum (PMDB-MS) e Marcelo Aro (PHS-MG).

As críticas do deputado ao governador foram feitas em discurso no dia 17 de outubro. Na ocasião, Rollemberg havia proibido o parlamentar de participar de reunião com policiais civis da capital federal, que reivindicam reajuste salarial e estão em Operação Legalidade desde o dia 4 de julho.

Em nota, o deputado informou que respeita a decisão do Conselho de Ética de abrir o processo disciplinar e vai responder “com a maior naturalidade”. Afirmou, ainda, que “não abre mão de suas prerrogativas de falar e de sua imunidade dentro do Congresso Nacional, agasalhada pelo artigo 53 da Constituição Federal”.

Arquivamento
Apesar da abertura de um novo processo, Laerte Bessa conseguiu uma vitória no Conselho de Ética nesta quarta-feira (23). Por oito votos a quatro, a comissão decidiu arquivar um processo movido pelo PT, que acusava o deputado de proferir ofensas contra o ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff, também no plenário da Câmara.

 

 

COMENTE

Rodrigo RollembergCâmara dos DeputadosPSBConselho de ÉticaprocessoLaerte Bessamaconheiro
comunicar erro à redação