*
 

Alvos da Operação Drácon, os cinco distritais acusados de integrar o Bonde de Propina ganharam novo fôlego na Câmara Legislativa. A Mesa Diretora garante que só vai analisar os pedidos de cassação contra eles depois que a Procuradoria-Geral da Câmara Legislativa entregar os pareceres de todas as representações.

Ao todo, 10 representações foram protocoladas pelo PSol e por entidades civis. São alvos dos pedidos de cassação: a presidente afastada da Casa, Celina Leão (PPS), Bispo Renato Andrade (PR), Raimundo Ribeiro (PPS) e Julio Cesar (PRB), que eram titulares da Mesa Diretora, além de Cristiano Araújo (PSD).

Na última semana, o Metrópoles mostrou, com exclusividade, que a Procuradoria da Casa entregou parecer favorável à análise do pedido de cassação feito pelo PSol contra os cinco distritais. No entanto, há outras representações, protocoladas por entidades civis, como a Associação dos Auditores Federais de Controle Externo (Auditar), o Observatório Social e a ONG Adote um Distrital, e pelo PT. Antes de serem analisadas pela Mesa, elas precisam passar pelo crivo dos procuradores, que fazem uma análise técnica.

De acordo com o presidente interino da Câmara, deputado Juarezão (PSB), a Mesa em exercício só deverá se pronunciar sobre o prosseguimento ou não das denúncias depois que todos os pareceres forem entregues.

“Estamos esperando a Procuradoria mandar o restante dos pareceres que estão em análise. Não dá para analisar cada um que chegar à Mesa, então vamos esperar todos chegarem, para somente depois darmos a nossa palavra”, afirma Juarezão, que, na semana passada, deu como certa a análise esta semana.

O presidente interino disse ainda que pediu à Justiça o processo que corre contra os distritais acusados. Ele diz que é necessário saber quais os pontos que estão sendo abordados pelas investigações para, a partir daí, decidir sobre o prosseguimento dos pedidos. “Nós fizemos o pedido à Justiça e a resposta deve ser entregue amanhã ou depois (terça ou quarta-feira).”

Suzano Almeida/Metrópoles

Representação feita pelo PSol contra os distritais

 

Os deputados que compõem a Mesa Diretora interina acreditam que os pedidos não devem ser analisados nos próximos dias. Um deles garante que há uma pressão para que o processo demore o maior tempo possível. Outro confirma que sequer foi chamado para reunião do colegiado, que ocorre entre segunda e terça-feira.

Membro da Mesa interina, Agaciel Maia (PR) explica que as convocações das reuniões costumam ser feitas pelo menos um dia antes. Porém, ele acredita que essa semana o encontro não deve ocorrer. “Na terça-feira (20), temos uma pauta extensa na Comissão de Economia, Orçamento e Finanças (Ceof), logo depois teremos a reunião de líderes. Então, não acredito que haverá tempo. Vamos esperar que todos os pedidos estejam instruídos para marcar a reunião da Mesa”, destacou.

As primeiras representações contra os cinco deputados foram entregues pelas entidades civis – Adote um Distrital, Auditar e Observatório Social – no dia 25 de agosto. No próximo domingo, portanto, completa um mês que o pedido foi feito e, até hoje, o processo não andou.

Afastados
Celina, Julio Cesar, Raimundo Ribeiro e Bispo Renato estão afastados da Mesa por força de decisão judicial. Durante a deflagração da Operação Drácon, em 23 de agosto, eles foram alvos de mandados de busca e apreensão, tiveram de prestar depoimento e também foram automaticamente afastados pela Justiça do comando da Câmara Legislativa.

Ainda durante a operação, os policiais civis recolheram farto material nos gabinetes dos cinco distritais, conforme mostrou o Metrópoles em reportagem publicada, com exclusividade, nesta segunda-feira (19). Mídias, envelopes com projetos, planilhas, degravações, detalhamento de despesas e computadores, entre outros itens, passam por análise minuciosa dos investigadores. Os deputados são acusados de fazer parte de um suposto esquema de propina em troca de liberação de emenda para pagamento de dívidas com Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) de hospitais privados. Eles negam as acusações.

 

 

COMENTE

Liliane Rorizjuarezão
comunicar erro à redação