*
 

As regiões administrativas de São Sebastião, Fercal e os setores habitacionais Contagem, Boa Vista, Grande Colorado e Mansões Sobradinho serão incluídos no racionamento de água a partir de quarta-feira (6/9). Os locais são abastecidos por poços tubulares profundos e captações superficiais que apresentaram expressiva queda de produção com a intensificação da estiagem no Distrito Federal.

A diminuição da disponibilidade hídrica, o aumento da demanda de água devido ao calor e baixa umidade, além do grande número de ligações clandestinas nessas regiões, são fatores que agravam ainda mais a situação crítica de abastecimento.

A população atingida será de cerca de 150 mil habitantes. O rodízio irá perdurar pelo tempo necessário para restabelecer as condições de segurança hídrica do abastecimento pelos reservatórios de água. As informações pertinentes e o cronograma do rodízio estarão disponíveis no site da Caesb (www.caesb.df.gov.br), bem como poderão ser obtidas pelo telefone 115.

O rodízio ocorrerá também no ciclo de seis dias, com a interrupção do abastecimento em áreas específicas durante 24 horas. Nos dois dias seguintes à interrupção, a localidade estará na situação de estabilização do sistema de abastecimento. Isso porque, depois de interrompido, o abastecimento não retorna de imediato. Ou seja, será um dia sem água (24 horas), dois dias em fase de estabilização e três com abastecimento normalizado, e assim continuamente, até que o rodízio possa ser interrompido.

Crise hídrica
Com mais de 100 dias sem chuva no Distrito Federal e índices de umidade relativa do ar caindo aos 9%, os reservatórios do Descoberto e de Santa Maria, que abastecem a população da capital, estão mais baixos a cada dia que passa. Nos últimos dois meses, as consequências da seca afetaram drasticamente o volume d’água.

De junho a agosto, o volume útil do Descoberto diminuiu 19,10 pontos percentuais. Isso significa uma redução de cerca de 40% do nível em um período de 60 dias. No reservatório de Santa Maria, a queda foi de 12,35 pontos percentuais, ou aproximadamente 35% de redução.

A Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento Básico do Distrito Federal (Adasa) reconhece que o período de seca no DF está apenas começando e, caso os níveis caiam além da meta estipulada, medidas mais rigorosas serão tomadas com o objetivo de reduzir a demanda. “É de fundamental importância a colaboração da população, que precisa conservar hábitos de uso racional da água e reduzir ainda mais o consumo”, esclareceu a Adasa.

No ano em que Brasília atravessa a sua maior crise hídrica, a ausência de chuvas nos meses considerados essenciais para o abastecimento deixou a situação ainda mais delicada. As precipitações só devem voltar com intensidade à capital na segunda quinzena de setembro. Mesmo assim,  dificilmente ocorrerá em proporções capazes de repor os volumes dos reservatórios, de acordo com o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet). Até lá, o tempo permanecerá claro a parcialmente nublado e com névoa seca em toda a região.

Os meses de agosto e setembro são caracterizados como estações do ano sem chuva. Uma massa de ar quente invade a região central do país, ocasionando baixa umidade e temperaturas altas. A tendência é que em outubro o tempo comece a mudar com mais intensidade"
Hamilton Carvalho, meteorologista

Acima das metas
No entanto, mesmo com o cenário crítico, de acordo com a Curva de Acompanhamento que monitora o volume útil, o índice, em agosto, ficou acima do esperado.

De acordo com a Adasa, o nível estimado de água nos reservatórios deveria ser de 25% para o Descoberto e de 33% para o Santa Maria até o fim de quinta-feira (31/8). No fim do dia, contudo, os percentuais estavam acima do previsto: 28,88% e 36,55%, respectivamente.

Para setembro, a previsão para o Descoberto é de 14% e para o Santa Maria, de 26%.Os meses mais críticos do ano serão outubro para o Descoberto, quando a meta a ser atingida será de 9% da capacidade de água, e novembro para a bacia de Santa Maria/Torto, quando o volume útil será de 22%.

Veja abaixo as curvas de acompanhamento dos dois reservatórios:

Reprodução/Adasa Reprodução/Adasa

Isso significa que, apesar da redução do volume dos dois reservatórios para menos da metade de suas capacidades em agosto, eles ainda estão dentro do esperado pelas autoridades para o período.

No entanto, ainda são motivo de grande preocupação. Um levantamento da Adasa mostra que, há exatamente um ano e, portanto, antes do racionamento hídrico, o Descoberto estava com 48,43% da capacidade total e o Santa Maria/Torto, com 54,28%.

A Agência informou que a queda nos níveis dos reservatórios é o que se espera para o período de estiagem.

Captação Emergencial
Segundo a Companhia de Saneamento Ambiental (Caesb), o aumento das temperaturas e o período de seca tornam a economia de água ainda mais necessária.

A Caesb continua a investir em campanhas de redução de consumo, tanto para a população rural — que deve economizar em irrigações — quanto urbana, e em medidas de redução de perda de água.

Outra providência tomada para amenizar a crise hídrica são as obras de captação emergencial do Subsistema Produtor de Água do Bananal e da estação de tratamento do Lago Paranoá. A previsão é de que, no fim de setembro e início de outubro, respectivamente, a captação de água das duas obras já esteja sendo feita.

 

 

 

COMENTE

Bacia do Rio Descobertocrise hídricaracionamentoCaesbAdasaSistema Santa Maria/Torto
comunicar erro à redação