*
 

Uma análise preliminar feita pelo Ministério da Educação avaliou em R$ 172.829,10 o prejuízo causado pelas depredações no prédio da pasta durante protesto contra a PEC do Teto dos Gastos, na terça-feira (29/11).

Segundo o órgão, foram danificadas 38 placas de vidro da entrada do prédio, espelhos da fachada e de elevadores, revestimentos de paredes, divisórias de madeira e de vidro, computadores, câmeras de segurança, balcões de vidro e televisores, além de cinco caixas eletrônicos.

A pasta afirma ainda que os manifestantes roubaram extintores de incêndio, cadeiras, bancos e computadores e depredaram um carro oficial. A estimativa de custos não inclui o valor dos serviços de recuperação do prédio e instalação dos equipamentos.

Imagens do circuito interno de TV, vídeos feitos por servidores e fotografias foram repassados à Polícia Federal, que está identificando os responsáveis pelos atos. Servidores vítimas da violência foram liberados para prestar depoimentos.

Durante vistoria no prédio, o ministro da Educação, Mendonça Filho, criticou as depredações. “As pessoas podem se posicionar e expressar seu posicionamento sem agredir o outro e sem que isso seja traduzido em atos de violência e depredação do patrimônio público, como ocorreu aqui no MEC”, disse.

Outros locais
Além do Ministério da Educação, os vândalos também atacaram outros 11 prédios, derrubaram 27 placas de sinalização, quebraram cinco paradas de ônibus, queimaram cones e cavaletes, danificaram um controlador de velocidade e incendiaram dois veículos, segundo dados da Secretaria de Segurança do DF (SSP-DF).

Os ataques ocorreram durante um protesto contra a PEC do Tetos dos Gastos, na terça-feira (29). Ainda de acordo com a SSP-DF, no momento de maior concentração, 10 mil pessoas participavam da manifestação. Por conta dos ocorridos, o governador do DF, Rodrigo Rollemberg, pediu que a Polícia MIlitar volte a revistar manifestantes em atos na Esplanada dos Ministérios.

 




 

COMENTE

depredaçãomanifestaçãoMinistério da Educaçãoprejuízo
comunicar erro à redação