*
 

Um em cada quatro brasilienses teme perder o emprego em 2017. É o que aponta pesquisa de opinião realizada pelo instituto Dados a pedido do Metrópoles. Questionados sobre como enxergam a situação de trabalho nos próximos 12 meses, 64,5% dos entrevistados disseram que continuará a mesma. Para 25,1%, entretanto, há chances de ficarem desempregados. Para apenas 5,1% das pessoas, a expectativa no próximo ano é de promoção.

E não falta motivo para tanta preocupação. Com a crise econômica em curso, empregos estão ameaçados. No Distrito Federal, o contingente de desempregados chega a 290 mil, com tendência de alta. Em todo o Brasil, são mais de 12,1 milhões de trabalhadores sem emprego, um recorde histórico.

“No momento, ninguém tem garantia de permanência no mercado de trabalho”, destaca o consultor de recursos humanos José Antônio Lira. Atuando em uma empresa de recrutamento, ele explica que a demissão é uma das primeiras medidas que os patrões tomam quando pensam em cortar custos. “Manter um empregado legalizado no país exige um investimento muito alto. São muitos recolhimentos, entre FGTS, INSS e outras contribuições”, argumenta.

Nathália Cardim/Metrópoles

Entre os trabalhadores temerosos está a atendente Nilda Carvalho (foto acima), 40 anos. De emprego novo há apenas um mês, ainda tem pesadelos com a demissão ocorrida em outubro, quando a empresa em que trabalhava fechou as portas. “A gente fica preocupada em ser demitida. O que mais tem, hoje, são pessoas sendo dispensadas”, lamenta a mãe de três filhos, que mora de aluguel.

O levantamento, feito presencialmente entre os dias 16 e 21 de dezembro com 1,2 mil pessoas, distribuídas em 26 regiões administrativas do DF, traz outros dados relevantes. Na faixa etária até 24 anos, o medo de perder o emprego é bem maior: 32,5%.

Levando em consideração o local de moradia dos entrevistados, chama a atenção o fato de que para 43,7% dos entrevistados que moram nas RAs consideradas tradicionais (Núcleo bandeirante, Brazlândia, Sobradinho, Gama e Candangolândia), o temor do desemprego tira o sono dos trabalhadores.

“Em tempo de incertezas econômicas, a gente nunca sabe se estamos seguros com o emprego”, reconhece a vendedora Jaqueline Maria Mattos, 27 anos, há seis meses trabalhando na mesma loja.

Para quem se sente ameaçado, separamos algumas dicas valiosas para ajudar a manter o seu emprego. Confira:

  • Trabalhe duro – A maioria dos empregadores não se importa que você gaste um pouco de tempo no Facebook ou com mensagens de texto, mas concentre-se em seu trabalho e mostre que você não só está fazendo aquilo que é pago para fazer, como também está procurando ser mais produtivo e colaborativo. Quando se trata de tomar decisões sobre demissões, a empresa tem de escolher os funcionários mais produtivos.
  • Seja pontual – Os funcionários que frequentemente se atrasam, estendem demais a hora de almoço, estão sempre doentes, e/ou saem mais cedo todos os dias, não vão ganhar pontos com o chefe nem ajudar a manter o emprego. Seja pontual e esteja presente em vez de dar desculpas para justificar as ausências ou os atrasos.
  • Trabalhe em equipe – Os funcionários que não se dão bem com os outros, que gostam de fofocar sobre outros colegas ou que não estão dispostos a arregaçar as mangas para ajudar não são bem vistos.
  • Seja flexível – A flexibilidade pode ser um componente importante em seu trabalho. Quando a empresa precisa de alguém para mudar de turno, realizar atividades no fim de semana, fazer algumas horas extras ou trabalhar em um calendário diferente, pense sobre o voluntariado, se sua agenda pessoal permitir.
  • Seja positivo – A negatividade é contagiosa.
  • Valorize o seu emprego – Talvez este não seja o trabalho dos seus sonhos. Talvez você preferisse estar fazendo outra coisa. No entanto, neste momento você precisa desta renda, pode fazer sentido ficar até que você encontre um novo emprego de forma organizada.
  • Adquira outras habilidades Se você sente que seu cargo está em perigo ou pode ser extinto da empresa que trabalha, uma opção para permanecer na companhia é se capacitar e adquirir habilidades de outras áreas.
  • Analise sua produtividade Questione se você está cumprindo as tarefas para que foi contratado. A partir do momento que sua função é cumprida da maneira correta, a chance de ser demitido é muito menor.
  • Não pare de aprender – Apenas uma coisa é certa no que se refere ao futuro das carreiras: o aprendizado contínuo é fundamental. Seja com treinamentos oferecidos pelo empregador ou por cursos feitos por iniciativa própria, o profissional precisa ser o responsável por desenvolver o pensamento lateral e a mentalidade flexível que o tornará atraente para os empregadores.

Fonte: Papo de Emprego e Universia

 

 

COMENTE

desempregodemissãoInstituto Dados
comunicar erro à redação