*
 

O Natal se aproxima e, ao contrário dos outros anos, o comércio não fala em contratações temporárias. Em 2015, as lojas conseguiram admitir 5 mil pessoas nesta época, mas, de acordo com Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Distrito Federal (Fecomércio-DF), esse número não deve passar nem perto em 2016. A estimativa é que fique em torno de 3,5 mil.

Nem mesmo setores menos impactados pela queda de vendas devem aumentar as contratações. É o que acredita o presidente do Sindicato dos Hotéis, Bares e Restaurantes do DF (Sindhobar-DF), Jael Antônio da Silva. “Nossa área não demonstrou quedas tão significativas quanto outras do comércio. Muitas casas fecharam e outras abriram recentemente. Mas as contratações temporárias para o fim de ano devem ser pontuais”.

Para o presidente da Federação, Adelmir Santana, 2016 ainda será de reflexos da crise vivida pelo setor nos últimos anos. “Desde 2014, o comércio sofre com quedas, inclusive em datas comemorativas, como o Natal. Este ano, não será muito diferente. O aumento de 5% na confiança de empresários e trabalhadores, medido recentemente, não será traduzido em contratações”, analisa.

Segundo Santana, os números do DF deverão seguir as tendências previstas pela Confederação Nacional do Comércio (CNC). Pelos cálculos da entidade, o Natal deste ano deve ter uma retração de 3,5% nas vendas, e recuo de 2,4% em postos de trabalho temporários em relação ao ano anterior.

Os principais afetados pela queda no movimento devem ser os pequenos empresários e comerciantes. “As grandes redes, como supermercados e lojas de departamento, ainda têm perspectiva de contratações pelo porte dos empreendimentos. Mas os pequenos, infelizmente, deverão manter o quadro de funcionários no fim do ano”, afirma Santana.

No ano passado, cerca de 23,5% dos empresários do DF fizeram contratações temporárias, segundo estudo da Fecomércio. Em 2014, na mesma época do ano, o índice ficou em 34,3%. Este ano, esse número não foi fechado, mas estima-se que seja bem menor.

Dedicação
Com as fracas expectativas para o fim de ano, a principal dica para quem quer tornar a oportunidade temporária em emprego fixo é a dedicação. “É hora de agarrar as chances. Trate o negócio em que trabalha como se fosse seu. Muitos temporários ganham espaço ao mostrarem que estão dispostos para o serviço”, afirma Jael Antônio da Silva, do Sindhobar.

As especializações também podem ser um caminho para a efetivação. “Ter um diferencial ou uma experiência prévia pode contar bastante na hora da seleção. Cursos na área em que pretende trabalhar são uma boa opção”, sugere Santana, da Fecomércio.

Confira dicas do site vagas.com para você garantir o seu trabalho temporário:

  • Entre no clima!
    Não fique parado decorando a programação de Natal da TV! Saia do sofá e vá ganhar uma grana extra! Mais do que remuneração, trabalhos temporários também costumam ser divertidos por conta do clima de cooperação obrigatório, consequência do grande movimento no comércio.
  • Descole uma vaga que tenha a ver com você
    Algumas coisas necessitam de um perfil cheio de afinidades. Imagine uma pessoa introvertida, organizada, que gosta de tudo no lugar, atendendo três ou quatro clientes ao mesmo tempo em uma loja de calçados. É provável que ela tenha um piripaque! Da mesma forma, se você é do tipo extrovertido, ficar dentro de uma baia de escritório oito horas por dia mexendo com planilhas é o caminho da infelicidade. Identifique seus pontos fortes e procure vagas que tenham a ver com você.
  • Sem hora para sair
    A maioria das vagas para temporários são tradicionalmente do comércio: vendedores, estoquistas, auxiliares de cadastro e assim por diante. A contratação é justamente para dar suporte a um movimento de clientes muito maior que o normal. Portanto, não conte com horário certo para sair. São muitos os imprevistos e este é o momento de ouro do comércio. Ou seja, prepare-se para segurar o rojão! E não esqueça: suas atitudes serão observadas.
  • Temporário pode ser o começo de uma carreira
    Não tenha dúvida: você será observado em todas as suas atitudes, ainda que o trabalho seja temporário. Essa época costuma ser uma espécie de laboratório para as empresas, um celeiro para colher os melhores talentos que podem ser aproveitados quando tiver uma vaga aberta e estável. Como janeiro é um período de baixo movimento, as efetivações não costumam acontecer logo após as festas de final de ano. Mas se você marcou presença com uma boa postura, competência e proatividade, tenha certeza de que você está na lista de futuros colaboradores.
  • Servir bem é uma arte
    Poucas pessoas percebem a importância de servir bem. Afinal, quem não gosta de ser bem atendido? Um sorriso, um cumprimento educado, mostrar-se à disposição… Tudo isso deixa todo mundo feliz! Exerça sua função com compromisso, seja com clientes ou colegas. Cada vez mais as empresas levam mais em conta o comportamento do que o conhecimento técnico na hora de contratar.
  • O visual conta
    Lojas de roupas e calçados são duas das que mais contratam. Normalmente há salário fixo e mais comissão, o que garante boas perspectivas de grana extra. Atenção: sua apresentação pessoal vai contar. Uma roupa legal, cabelos bem cortados, barba feita, unhas arrumadas pesam na hora da contratação.
  • Saber ouvir para depois falar
    Aquele vendedor que fala pelos cotovelos até ganhar o cliente no cansaço está fora de moda. O importante é ouvir, com calma, paciência, boa vontade, o que o cliente quer, para depois  servi-lo melhor e trazer o produto mais adequado ao seu orçamento e gosto. Essa postura de ouvir com atenção não serve apenas para lidar com clientes, mas também com colegas, gerentes e todos que estão à sua volta.
  • Crie sua rede de contatos
    Esse é um ótimo momento para conhecer pessoas, não só do lugar em que você vai trabalhar, mas lojas e colegas das proximidades. Se você passar uma boa impressão, de quem quer trabalhar, crescer, e tem disposição, certamente não será esquecido em um momento de vagas abertas.
 

 

COMENTE

desempregocomércioFecomercioSindhobarcontratos temporários
comunicar erro à redação