*
 

A Enfil S.A Controle Ambiental, empresa que venceu o pregão para tratar água do Lago Paranoá, começou a fazer testes de captação no reservatório esta semana. Eles consistem em verificação de vazamento, checagem de estrutura, desempenho dos equipamentos, entre outros.

Inicialmente previstas para serem concluídas em setembro, as obras do Subsistema Produtor do Lago Norte estão 80% executadas e com entrega prometida para 2 de outubro, de acordo com a Companhia de Saneamento do Distrito Federal (Caesb). Depois de concluídas, serão três meses de operação assistida, ou seja, em parceria da Caesb com a Enfil. Depois dessa data, a empresa pública assumirá o manejo.

O governador Rodrigo Rollemberg visitou o canteiro na manhã desta quinta-feira (14/09). “É emocionante ver a água correr e passar por todos os testes. Na primeira semana de outubro, esta estação de tratamento já estará em pleno funcionamento para ajudar o sistema de abastecimento de água do DF”, assegura o chefe do Executivo local.

Os custos para a implantação do Subsistema Produtor do Lago Norte ficaram em R$ 42 milhões, 15% abaixo da estimativa inicial, de R$ 49.437.958. O Ministério da Integração Nacional liberou R$ 55 milhões para as obras — a diferença volta para a pasta federal.

Acompanharam a visita do governador os presidentes da Caesb, Maurício Luduvice, e da Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento Básico do DF, Paulo Salles.

Estação compacta
Serão captados 700 litros de água por segundo no braço do Torto, no Lago Paranoá. Trata-se de uma estação compacta de tratamento de água, com membranas de ultrafiltração, que fica na ML 4, no Setor de Mansões do Lago Norte.

Depois, a água irá para dois reservatórios: um no Lago Norte e um no Paranoá. Os locais abastecidos serão Asa Norte, Itapoã, Lago Norte, Paranoá, parte de Sobradinho II e Taquari. O fornecimento para essas regiões é feito pelo Sistema Produtor Santa Maria-Torto.

A Caesb tem também um projeto, já licitado, para captar, armazenar, tratar e distribuir água do Lago Paranoá de forma definitiva. As obras estão orçadas em R$ 480 milhões — o Governo do Distrito Federal negocia financiamento com a Caixa Econômica Federal.

A expectativa é que o Sistema Produtor Paranoá atenda 600 mil pessoas no Paranoá, no Lago Oeste, no Tororó, em Sobradinho e nos Condomínios Jardim ABC, Jardim Botânico e Alphaville.

Bananal
Com entrega também prevista para outubro, as obras do Subsistema Produtor do Bananal estão 67% executadas, de acordo com o GDF. A elevatória 1 e a captação estão prontas, e a elevatória 2, em processo de finalização. Todos os equipamentos e materiais foram comprados e se encontram no canteiro da obra.

O Bananal significa um reforço de 726 litros por segundo para o Sistema Produtor Santa Maria-Torto. O investimento é de R$ 20 milhões, do Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste, do Banco do Brasil.

Cerca de 170 mil pessoas serão beneficiadas com as intervenções, que incluem captação no Ribeirão Bananal e bombeamento para a Estação de Tratamento de Água de Brasília.

Corumbá 4
A maior de todas as obras de captação para o DF é fruto de consórcio entre a Caesb e a Saneamento de Goiás S.A. (Saneago). No estado vizinho, o trabalho ficou parado por suspeita de superfaturamento, mas foi retomado no início deste mês.

A parte goiana consiste em construir a estrutura de captação, a estação de bombeamento (60% executados) e 12,7 quilômetros de adutora (97% concluídos).

O que cabe ao DF são os outros 15,3 quilômetros de adutora, iniciados em agosto, e a construção da Estação de Tratamento de Água, em Valparaíso (GO). O trabalho está 68% executado.

O orçamento é de R$ 540 milhões, metade para cada unidade da Federação. A quantidade de água captada também será dividida meio a meio entre DF e Goiás: 1,4 mil litros por segundo para cada um na primeira entrega, prevista para dezembro de 2018, e 2,8 mil posteriormente. (Com informações da Agência Brasília)

 

 

 

COMENTE

Lago Paranoásecacrise hídrica
comunicar erro à redação