*
 

Dois alemães foram parar na delegacia após serem acusados de racismo e assédio em um bar da Asa Norte, na noite da última quinta-feira (24/9). Quatro amigos estavam no local, por volta da 1h, quando uma mulher, de 23 anos, levou um tapa nas nádegas. Segundo a vítima, que preferiu não se identificar, quando virou para entender o que tinha acontecido, um estrangeiro, com um sotaque carregado, teria falado: “Desculpe, não tive escolha”.

A mulher conta que ao ouvir isso ficou ainda mais revoltada e começou a discutir com o homem, que estava acompanhado de um amigo. Nesse momento, ouviu até um pedido de desculpas, que veio junto com um “mas não me peça para não fazer com outra mulher” e “tive que bater para ver se é bom”.

Revoltados com a atitude dos homens, dois amigos da vítima ameaçaram chamar a polícia. No entanto, os estrangeiros, que nesse momento foram identificado como alemães, começaram a gritar ofensas racistas aos brasileiros que teriam descendência afrobrasileira. “Eles batiam no braço mostrando a cor e diziam: ‘Eu sou europeu, você é macaco'”, conta a mulher.

Segundo ela, mesmo depois que a polícia chegou e todos foram encaminhados para a 5ª Delegacia de Polícia, na região central, os alemães continuaram gritando macaco para os homens brasileiros. Por telefone, uma das vítimas da injúria racial, confirmou as ofensas à reportagem do Metrópoles.

A Polícia Civil confirmou o fato. No boletim de ocorrência, os crimes são classificados como importunação ofensiva ao pudor e injúria racial. Ainda de acordo com a corporação, apenas Jorg Apel, 50 anos, natural da Alemanha, foi preso. A esposa dele pagou R$ 5 mil de fiança, e o homem foi liberado na manhã do dia seguinte.

O Metrópoles tentou contato com a embaixada da Alemanha que informou que irá se pronunciar só na segunda-feira (26).

 

 

COMENTE

Abuso sexualracismoinjúria racial
comunicar erro à redação