">
*
 
 

Deus escreve certo por linhas tortas. Somos chamados a acreditar nisso, seja por crença religiosa ou como metáfora: como forma de percebermos que nossa vontade pode apontar para equívocos, mas que a vida está atenta e disponível para corrigir as rotas antes que um mal maior aconteça.

É o que chamamos de livramento: o escape diante da nossa cegueira, o anteparo invisível que nos guarda na beira do abismo, a blindagem contra aquilo e aqueles que podem nos tanger dos propósitos de nossa alma.

Deveríamos agradecer devotamente quando isso ocorre, mas nem sempre é o que acontece. Quase sempre, queixamo-nos pelos planos que falharam, pelos contatos não efetivados. Achamos que o mundo está sendo cruel com o nosso desejo.

Essa reclamação parte do ego – uma espécie de gerente prepotente que se acha o dono da loja. Quando as coisas não saem como ele gostaria, faz birra como uma criança mimada: vitimiza-se, insiste no erro, ignora os sinais. E sofre pela própria ignorância.

Daí passa o tempo, senhor de tudo, e a vida mostra que aquela frustração foi um ponto de partida. Percebemo-nos pequenos e conduzidos por uma força maior para algo muito mais pertinente.
Muitos, ao viver isso, refazem os laços com o sagrado. Em suma, isso se dá quando percebemos um sentido maior para existência, quando nos vemos pertencentes e integrantes num sistema bem mais complexo que esse das eleições egoicas.

Por isso, o livramento não é para todos. O mundo nos pede autoria, liderança e controle, valores com os quais o ego tem plena identificação. Não existe assistência se não há espaço para a submissão (estar sob uma missão, mesclar-se a um propósito maior).

Quem, então, nos livraria dos males, se nossa arrogância nos leva a crer que seremos “vencedores” se lidarmos com tudo sozinhos? Ainda assim, sentimo-nos injustiçados quando a falha não sai de
nosso caminho."

Feliz daquele que reconhece, em situações graves e nas trombadas corriqueiras, a proteção. Esses não são melhores nem piores, mas estarão mais acalentados fortalecidos diante das adversidades. E, dessa conexão com a alma, encontrarão mais significados para a existência.

Psicologia
 


COMENTE

Ler mais do blog