">
*
 
 

Tem horas em que acho que o problema está comigo. O mundo parece que está espantado, em sobressalto, diante de coisas que sempre estiveram ali. Fome, desigualdade, hipocrisia. Crueldade, indiferença, falsidade. Ignorância, preconceito, dor. Oportunismo, injustiça, corrupção. E, diante destas e outras incontáveis tríades, olhares atônitos – como que surpreendidos com algo inédito.

De fato, o que me espanta profundamente é quando o que é natural se eleva a um status extraordinário. Quando os olhos esbugalhados se voltam para uma mãe que amamenta em público. Ou para a mulher que decide não ter filhos. Ou para alguém que sofre a perda de um ente querido. Ou, simplesmente, quando alguém não se queixa dos próprios problemas e se preocupa mais em viver, do que demonstrar a própria vida. Isso sim é escandaloso.

via GIPHY

Ainda não consegui entender o que origina esse tipo de comportamento. É uma espécie de “esquisitização” de coisas normais. Isso é bem mais bizarro que a maioria das bizarrices apontadas. É como se as pessoas, sei lá, estivessem desaprendendo a ser humanos"

No fundo, deve ser isso. Uma espécie de desconexão com a realidade, uma falha na escuta daquilo que brota do íntimo. E, se levarmos isso em consideração, todos aqueles desconfortos que citei no início do texto são bem mais naturais e pertinentes à humanidade. Afinal, não são meros produtos culturais – e sim valores arquetípicos (arcaicos e típicos) que se repetem desde que o mundo é mundo.

Isso que estou chamando de esquisitização fala de uma interpretação do mundo. Um tanto equivocada, uma vez que está pautada em hábitos bastante recentes, e, como tais, não vividos até a última instância.

A cultura do “remedinho” para abafar qualquer dor, por exemplo, ainda não demonstrou claramente quais os efeitos que trará em longo prazo no psiquismo do ser humano. Da mesma forma, ainda não há conclusão sobre a repercussão da vida vivida por avatares, da exposição nas redes sociais, do descarte nas relações etc.. Não saberemos quem serão nossos bisnetos, em consequência de tudo isso.

Não falo isso por nostalgia, nem por achar que nossos bisnetos não saberão se adequar a essa nova realidade. Essa é, justamente, a grande bênção da psique: por ter um funcionamento compensatório, ela saberá encontrar a saída – retirando dos excessos para cobrir as faltas, e vice-versa. A questão está em, nós, que cá estamos, encontrarmos uma forma honrosa de convivermos, apesar das demandas que surgem.

Parece que é aí que mora a dificuldade para a maioria: antes mesmo que o novo se instale, já querem pertencer a ele. Pensar, funcionar, desejar, responder, sentir o novo paradigma que ainda nem é verdade. E nisso embrutecem o que há de mais delicado. Ou criam uma estima descomunal àquilo que, no fundo, nada muda.

É difícil ser gente quando não sabemos o que é ser gente. E principalmente quando buscamos referência em quem também não tem o que ensinar. Nessas horas, a salvação vem dos clássicos. Daqueles que, por um mistério ainda indecifrável, conseguiram sorver das emoções a sua essência. Até mesmo as mais controversas, desconfortáveis, vis. E traduziram-na por palavras, imagens, enredos, sons. Esses nunca deixarão de ser professores na arte de viver.

Psique
 


COMENTE

Ler mais do blog