">
*
 
 

Jesus casado no Corpus Christi
Católico, o distrital Cláudio Abrantes (sem partido) aproveitou o feriado de quinta-feira (15/6) para se casar com Jussara Cardoso. A cerimônia foi realizada na igreja São Judas Tadeu, e a festa, para 400 convidados, no espaço Dúnia City Hall. Entre os presentes, os colegas de Câmara Legislativa Joe Valle (PDT), Wellington Luiz (PMDB), Israel Batista (PV) – que comemorou a união nas redes sociais (imagem baixo) – e Wasny de Roure (PT), além do ex-secretário de Segurança Sandro Avelar (PMDB). O casal segue para a Itália neste domingo (18), onde passará 10 dias em lua de mel. Abrantes, que por anos interpretou Jesus na Via-Sacra de Planaltina, quer ver o Papa Francisco.

Cabo de guerra
Azedou de vez as já estremecidas relações entre o Buriti e as representações dos servidores da Saúde. Pressionada por inúmeras deficiências no atendimento prestado à população, a categoria trava uma queda de braço com o governo em torno da proposta que muda o modelo de gestão do Hospital de Base (foto em destaque) – a maior unidade pública do DF –, transformando-o em instituto. Ao divulgar vídeo responsabilizando os sindicatos que representam os trabalhadores do setor pelo caos na Saúde Pública, o governador Rodrigo Rollemberg (PSB) pôs gasolina na fogueira. SindSaúde e SindMédico avisam: com ou sem corte de ponto, os servidores baixarão em peso na Câmara Legislativa na terça (20/6), para pressionar os distritais a rejeitar a criação do Instituto HBDF.

Mexeu em vespeiro

Reprodução
Quando acusou o presidente do SindMédico, Gutemberg Fialho, de receber sem trabalhar, Rollemberg desagradou de uma só vez as representações das maiores categorias funcionais do DF. A declaração coloca em cheque a Lei Orgânica e a regulamentação da licença para exercício de mandato classista. O Decreto nº 33.652/2012, que regula a “Constituição” local, define a liberação de “um dirigente para cada grupo de 2 mil servidores filiados, além dos dirigentes previstos na alínea a, até o limite de 10″. O resto dos sindicalistas que não tinha nada a ver com a pendenga acabou se sentindo atacado e foi envolvido pelo próprio governador e seu vídeo da discórdia. Um problemão para quem já não é muito benquisto pelos funcionários públicos.

Educação busca segurança…
Depois de um aluno do Centro de Ensino Zilda Arns, no Itapoã, ser assassinado dentro da instituição, dia 13, o Sindicato dos Professores retomará a campanha de combate à violência nas escolas. Nesta semana, a entidade se reunirá com funcionários, estudantes e familiares para definir um ato pela paz e em memória de Gidenilton Lacerda. Conforme o Metrópoles revelou, o colégio é equipado com câmeras de segurança, mas elas não funcionam desde 2014, por falta de manutenção. A Secretaria de Educação admitiu não ter ideia de quantas escolas brasilienses enfrentam o mesmo problema. A volta da campanha do Sinpro é sinal de que vem pressão sobre os gestores para garantir mais segurança à comunidade escolar.

… e mais verba
Sinpro-DF/Divulgação
O Sinpro apresentou 10 emendas ao Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias 2018. Elas foram entregues terça-feira (13/6) à Câmara Legislativa. As propostas garantem tanto recursos para construção e reformas de escolas quanto à contratação e à qualificação de professores. Também preveem a recomposição de perdas salariais, promovendo isonomia com outras categorias de nível superior do funcionalismo local. A equipe técnica da Comissão de Educação explicou aos sindicalistas um novo cálculo para assegurar investimentos no Plano Distrital de Educação. Segundo os assessores do colegiado, em 2015 e 2016, houve queda de mais de R$ 600 milhões nas despesas liquidadas nas unidades orçamentárias da Secretaria de Educação. Se a mudança de metodologia vingar, calculam, a área contará em 2018 com um mínimo de R$ 8,2 bi para investir.

À espera do Excelentíssimo
Com poucos problemas a resolver, a Chefia de Gabinete de Rodrigo Rollemberg publicou portaria na edição desta sexta do Diário Oficial do DF para deixar bem claro os procedimentos exigidos de quem deseja uma agenda com o governador. As normas valem para reuniões, encontros ou eventos. Os pedidos devem ser encaminhados “diretamente à Coordenação de Agendamento do Governador” por telefone e “preliminarmente” também por email. É obrigatório o preenchimento de formulário específico, cujo modelo também saiu no DODF, mas o envio não garante confirmação da agenda e o compromisso pode ser cancelado, “independentemente das razões”, pelo Gabinete da Governadoria. Faltou pedir assinatura em três vias e reconhecimento de firma em cartório.

Temer esnoba ONU…
Venceu quarta-feira (14/6) o prazo para o governo federal encaminhar esclarecimentos à ONU sobre projetos que tramitam no Congresso Nacional e instituem a “Escola sem Partido” – controle dos conteúdos discutidos em sala de aula. A União se omitiu, o que é considerado grave e pode resultar em interpelação da entidade internacional. A procuradora federal dos Direitos do Cidadão, Deborah Duprat, já estuda entrar com ação e na sexta (16) pediu explicações ao Itamaraty sobre o motivo de os questionamentos não terem sido respondidos. Ano passado, a procuradoria encaminhou aos congressistas nota técnica apontando inconstitucionalidade das propostas.

…E ONU critica programa

Dibulgação
A ONU solicitou as informações em 13 de abril, abrindo prazo de 60 dias para o Brasil se pronunciar. Três relatorias especiais do Alto Comissariado de Direitos Humanos da organização assinam o documento, que faz referência direta à proposta do deputado federal e presidente do PSDB-DF, Izalci Lucas. O PL 867/2015 do parlamentar inclui o programa na Lei de Diretrizes e Bases da Educação. Para a ONU, a Escola sem Partido institui controle ideológico em sala de aula, afronta a liberdade de expressão e criminaliza docentes. Na Câmara Legislativa, uma cria do projeto de Izalci foi apresentada pela deputada Sandra Faraj (SD): assim como os demais autores de propostas similares nos legislativos estaduais, municipais, distrital e federal, ambos têm forte ligação com igrejas cristãs.

Ataque em palanque suíço
Para acabar de queimar o filme do governo Temer junto à ONU, nesta semana o secretário nacional de Relações Internacionais da CUT e representante do Brasil no Conselho de Administração da Organização Internacional do Trabalho (OIT), Antônio Lisboa, fez um discurso duro contra a atual gestão federal na 106ª Conferência Internacional do Trabalho da OIT, em Genebra (Suíça). O sindicalista afirmou que o país vive momentos de instabilidade social e democrática. E usou como exemplos o que chamou de descaso da União com o crime ambiental de Mariana (MG), os recentes assassinatos de trabalhadores rurais e indígenas em conflitos por terra, além de ataques aos direitos dos trabalhadores, com o congelamento dos gastos públicos por 20 anos e as propostas de reformas trabalhista e previdenciária. A CUT, por sinal, promove na terça (20) o Dia Nacional de Mobilização Contra as Reformas Trabalhista e da Previdência e convoca nova greve geral no país para 30/6.

Direito ao esquecimento
Reprodução

O STF realizou audiência pública nesta semana para discutir um tema sensível: o direito ao esquecimento. À espera de decisão da Corte há um recurso da família de Aída Curi, assassinada em 1958, aos 18 anos, no Rio. Os parentes questionam a reconstituição do caso em 2004, sem autorização, por um programa de TV. Para eles, o próprio tempo fez com que o crime fosse esquecido pela mídia e assim deveria permanecer. Na audiência, acadêmicos e representantes de entidades e associações defenderam correntes distintas. Para o Instituto Brasileiro de Ciências Criminais, “é da nossa Constituição a vedação expressa às penas de caráter perpétuo”. Já as associações nacionais de Jornais e de Editores de Revistas sustentaram que “o reconhecimento do direito ao esquecimento é um limite à liberdade de expressão, de informação e de imprensa”.

(Com edição de Ana Helena Paixão)

Rodrigo RollembergSegurançaSaúdeEducaçãoItamaratySTFcutProfessor Israelgoverno federalprofessoresCâmara LegislativaWellington LuizsinproonuSindSaúdeJoe ValleGutemberg Fialhowasny de roureTemerfuncionalismo públicoImprensaSindMédicoCláudio Abrantesoitescola sem partidodireito ao esquecimentoAída CuriIsrael BatistasindicatosOrçamento 2018Sandro Avelarliberdade de expressãoorganização sindicalmandato classistaDébora DupratProcuradoria Federal do Direito do Cidadão
 


COMENTE

Ler mais do blog