*
 

O procurador-Geral da República, Rodrigo Janot, foi flagrado em um bar de Brasília tomando cerveja com o advogado Pierpaolo Bottini, defensor de Joesley Batista, neste sábado (9/9). A foto do encontro foi publicada pelo site O Antagonista, que afirma ter recebido a imagem de um frequentador do local.

“A testemunha diz que ambos conversaram por mais de 20 minutos. Para não chamar atenção, escolheram uma mesa de canto, ao lado de uma pilha de caixas de cerveja. Janot não tirou os óculos escuros”, informa o texto que acompanha a foto.

O Antagonista

A foto do encontro foi publicada pelo site O Antagonista

A assessoria de Janot não respondeu às perguntas do O Antagonista. Bottini deu explicações ao site:

“Na minha última ida a Brasília, este fim de semana, cruzei casualmente com o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, num local público e frequentado da capital. Por uma questão de gentileza, nos cumprimentamos e trocamos algumas palavras, de forma cordial. Não tratamos de qualquer questão outra ou afeita a temas jurídicos. Foi uma demonstração de que as diferenças no campo judicial não devem extrapolar para a ausência de cordialidade no plano das relações pessoais.”

O encontro ocorreu dias após Rodrigo Janot iniciar investigação para apurar se houve irregularidades nas delações acordadas com Joesley Batista, um dos donos da JBS, e Ricardo Saud, diretor da empresa.

A crise começou após a divulgação de áudios nos quais Batista e Saud conversam sobre uma possível atuação de Marcelo Miller, enquanto ainda ocupava cargo de procurador da República, para beneficiar os executivos da JBS na delação premiada. Miller trabalhava próximo de Rodrigo Janot nas investigações da operação Lava Jato e era responsável por negociar as delações.

Neste sábado (9/9), O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), acatou o pedido de prisão temporária contra Joesley Batista e Ricardo Saud. A solicitação havia sido feita por Rodrigo Janot, na sexta-feira (8). Janot também pediu a detenção de Marcello Miller, mas Fachin negou.

 

 

COMENTE

Lava JatoRodrigo Janot
comunicar erro à redação