*
 

A longa estiagem deixa os tradicionais traços de terra arrasada, plantação cinza, como se tivesse sido queimada, e animais magros, mas a situação da população é diferente de anos atrás, quando a seca expulsava os habitantes do sertão. Hoje as pessoas permanecem no Nordeste porque são atendidas por programas sociais, como Bolsa Família, Bolsa Estiagem, aposentadoria rural, instalação de cisternas e Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar.

“Nos últimos 15 anos não se vê mais um grande número de pessoas indo para as capitais ou outros Estados, nem mercados e caminhões com alimentos sendo saqueados ou crianças morrendo de fome”, diz o engenheiro agrônomo Giovanne Xenofonte, da ONG Caatinga, que mantém projetos de agroecologia em Araripe, área formada por dez cidades do interior de Pernambuco.

Na seca de 1979 a 1983, por exemplo, 3,5 milhões de pessoas morreram por subnutrição. Em 1915 e 1932, os governos chegaram a criar “campos de concentração” para evitar que populações famintas chegassem às capitais.

Caso
Com os R$ 600 que recebe do Bolsa Família, o casal Manoel Granja de Souza, de 49 anos, e Maria Elisie, de 39 anos, cuida de oito filhos com idades entre 2 e 21 anos na área rural de Ouricuri (PE). Só o mais velho faz bicos ajudando um vizinho no corte de mandacaru.

Após perder seis vacas, “cinco por fome e uma porque comeu plástico”, conforme explica Souza, ele vendeu as quatro que restaram, “antes que também morressem”. Agora cria cinco galinhas. “Sem o Bolsa Família estaríamos perdidos; teria de pedir ajuda nas ruas da cidade”, diz Elisie.

O presidente da Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos, a Funceme, Eduardo Martins, diz que programas sociais evitam a migração e cita a instalação de mais de 1 milhão de cisternas no semiárido para captar água da chuva. Elas são abastecidas por caminhões-pipa pagos pelo governo. Mas algumas famílias reclamam que ficam até três meses sem água. “A política do carro pipa é necessária, mas reforça a indústria da seca”, diz Xenofonte. Há um comércio da água – retirada do rio São Francisco e de outras fontes -, e os donos de caminhões cobram de R$ 65 a R$ 130 por um carregamento.

 

 

COMENTE

migraçãopolíticas públicasbolsa famílianordestebolsa estiagem
comunicar erro à redação