*
 

Ao pedir instauração de inquérito sobre gravação entre delatores da JBS, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, afirmou que o executivo Ricardo Saud ainda anexou um anexo complementar no qual declara ter uma conta no Paraguai não declarada às autoridades quando o Grupo assinou o termo de colaboração com o Ministério Público Federal.

“Ademais, o colaborador Ricardo Saud, também em 31/8/2017, apresentou anexo declarando possuir conta no exterior, mais especificamente no Paraguai, a qual não havia sido informada quando da assinatura do acordo em 3/5/2017. Essa informação precisa ser aprofundada, considerando que o momento da declaração patrimonial, que leva em consideração, inclusive, a estipulação do valor da multa e da eventual perda de valores ilícitos, dá-se com a apresentação de anexo patrimonial, antes do oferecimento da premiação”, afirmou Janot.

O Procurador-geral da República pediu investigação, nesta segunda-feira (4/9) sobre um áudio, gravado por acidente, entre Joesley Batista e Ricardo Saud, no qual eles mencionam que o advogado Marcelo Miller, à época em que era procurador, teria atuado para garantir facilidades aos delatores junto à Procuradoria-Geral da República.

Miller integrou a força-tarefa da Operação Lava Jato e atuou nas delações do ex-senador Delcídio do Amaral e do ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado. Após deixar o Ministério Público Federal, ele passou a integrar o escritório de advocacia Trench, Rossi e Watanabe, e integrou o time de advogados que negociaram o acordo de leniência da J&F.

Janot pediu abertura de inquérito sobre a possível omissão de crimes pelos delatores e para investigar a menção ao ex-procurador da República. Segundo o chefe do Ministério Público Federal, a investigação pode culminar com a anulação do acordo da JBS, mas está fora de cogitação anular as provas entregues pelos executivos.

 

 

COMENTE

Rodrigo Janotdelação JBSRicardo Saud
comunicar erro à redação