*
 

Um dia após a Câmara dos Deputados rejeitar a autorização para que o Supremo Tribunal Federal (STF) julgue a denúncia por corrupção passiva contra o presidente Michel Temer (PMDB-SP), o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Gilmar Mendes, se manifestou sobre o caso. O magistrado comemorou a decisão e afirmou nesta quinta-feira (3/8) que o resultado traz estabilidade para o Brasil.

“Isso é uma questão da competência da Câmara. O sistema de ‘checks and balances’ (sistema de freios e contrapesos) está funcionando”, festejou Gilmar Mendes durante papo com jornalistas, depois da sessão plenária do TSE na manhã. O ministro foi enfático: “Com certeza. Essas questões têm de ser definidas, porque isso gera instabilidade”.

Na avaliação de Gilmar, desde maio, quando veio à tona a delação do grupo J&F, o Brasil tem passado por um quadro de crise, com as atenções voltadas para um cenário “jurídico-político-policial”. Agora, o ministro acredita que vai ser possível que os parlamentares aprofundem as discussões sobre a reforma política.

“Vamos poder concentrar energia nesse tema, que é prioritário”, comentou.

Governança
O presidente do TSE destacou que o país atravessa instabilidade, ressaltando que dos presidentes eleitos desde a Constituição de 1988, só dois terminaram o mandato — Fernando Henrique Cardoso (PSDB) e Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

“Precisamos pensar hoje se nós temos um modelo adequado de governança, de governabilidade e precisamos encontrar meios e modos de não instabilizarmos a democracia”, afirmou.

Questionado se a nova denúncia a ser apresentada pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, contra Temer poderia trazer instabilidade, o presidente do TSE limitou-se a dizer: “Vamos aguardar. Depois da denúncia, a gente comenta.”

 

 

COMENTE

TSEMichel TemerSTFCâmara dos DeputadosGilmar Mendes
comunicar erro à redação