*
 

Em nota divulgada nesta segunda-feira (26/9), a Polícia Federal informou que o Ministério da Justiça não foi avisado sobre o conteúdo da Operação Omertà, deflagrada nesta segunda e cujo alvo principal é o ex-ministro da Fazenda e da Casa Civil Antonio Palocci. Porém, sugeriu ao titular da pasta, Alexandre de Moraes, que não se ausentasse de Brasília, pois o caso poderia demandar sua atuação.

A PF explicou que a conduta adotada desta vez é padrão. Esclareceu ainda que, em relação à 35ª fase da Lava Jato, o procedimento de “compartimentação e cuidado com a informação, que caracterizaram as quase 500 operações deflagradas este ano”, foi o mesmo.

“Somente as pessoas diretamente responsáveis pela investigação possuem conhecimento de seu conteúdo”, diz a nota, acrescentando que as datas de “desencadeamento das operações especiais de polícia judiciária são acompanhadas “apenas pelos responsáveis pela coordenação operacional”.

“Como já foi amplamente demonstrado em ocasiões anteriores, o Ministério da Justiça não é avisado com antecedência sobre operações especiais. No entanto, é sugerido ao seu titular que não se ausente de Brasília nos casos que possam demandar sua atuação, não sendo informado a ele os detalhes da operação”, explicou a PF.

Ao participar de um evento no domingo, em Ribeirão Preto, o ministro da Justiça declarou publicamente que haveria mais uma fase da Operação Lava Jato esta semana. Ele foi criticado por antecipar uma ação revestida de sigilo.

 

 

COMENTE

Operação Lava JatoMinistro da Justiçaalexandre moraes
comunicar erro à redação