*
 

Palavras descortinam ideias. Podem levar políticos ao alto escalão da República ou derrubar presidentes. Protagonistas do discurso, elas revelaram, ao longo da semana passada, um cenário bem mais denso do que o controverso resultado no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) do julgamento da ação que pedia a cassação da chapa Dilma Rousseff (PT) — Michel Temer (PMDB). A seleção dos vocábulos desnudou diferentes pontos de vista que nortearam o voto dos sete ministros da Corte.

Em lados opostos, o presidente do TSE, Gilmar Mendes, e o relator do processo, Herman Benjamin, travaram duros embates durante as sessões e foram os principais expositores de correntes diametralmente distintas: uma pela absolvição e outra pela cassação da chapa. Após quatro dias de discussões, entre terça (6/6) e sexta (9), sagrou-se vencedora, por 4 votos a 3, a opção favorável ao atual presidente da República.

A partir dos discursos envolvendo o voto de mérito na ação, o Metrópoles realizou um levantamento e identificou as palavras mais utilizadas pelos dois ministros. Segundo especialistas ouvidos pela reportagem, os termos ajudam a compreender as convicções por trás dos pronunciamentos de cada magistrado. A opinião é compartilhada por Daniel Falcão, professor de Direito Eleitoral do Instituto Brasiliense de Direito Público (IDP); e Marcello Cavalcanti Barra, sociólogo da Universidade de Brasília (UnB).

Confira as 50 palavras mais usadas por Herman Benjamin

created at TagCrowd.com

 

Confira as 50 palavras mais usadas por Gilmar Mendes

created at TagCrowd.com

 

Pesos diferentes
Para o professor Daniel Falcão, no caso de Gilmar Mendes, o número de menções à Petrobras foi bastante superior em relação ao colega Herman Benjamin por uma razão. “Muito provavelmente”, suspeita o especialista, para defender o argumento de que usar os depoimentos de executivos da Odebrecht e dos marqueteiros João Santana e Mônica Moura extrapolava o objeto da ação em análise. “Era uma mensagem para o relator, que deveria limitar-se à petição inicial, ou seja, às questões trazidas pelo PSDB relacionadas à Petrobras”, avalia.

As palavras escolhidas pelo relator, Herman Benjamin, em contrapartida, mostram o peso que o ministro deu às provas trazidas no final do processo, segundo o especialista. “Ou seja, diversas citações à Odebrecht e aos marqueteiros da campanha Dilma-Temer 2014”, reforça Falcão.

“O interessante é que ele [Herman] cita muito pouco os nomes dos dois integrantes da chapa, numa possível tentativa de despolitizar o julgamento. O fato é que seu voto tem uma carga política bastante grande, o que é facilmente comprovável pelas várias frases de efeito trazidas ao longo da leitura”, analisa o professor.

“Posicionamento político”
Para o sociólogo da UnB Marcello Cavalcanti Barra, o fato de Gilmar Mendes citar nominalmente Dilma Rousseff e Michel Temer mais vezes “explicita um posicionamento político”.

“Essas palavras ajudam a identificar as táticas utilizadas pelas duas ‘bancadas’. Enquanto usada pela pró-cassação, você tem uma intensa citação de figuras, como o marqueteiro e a esposa, pelo ministro Herman Benjamin. Por outro lado, há uma omissão, um silenciamento, por parte de Gilmar Mendes. Esse ‘não dito’ grita. Fica explícito que existiu uma estratégia”, avalia Barra.

Leia a íntegra dos votos dos dois ministros

Voto do ministro Gilmar Mendes na ação que absolveu a chapa Dilma-Temer no TSE by Metropoles on Scribd

 

Voto de Mérito Do Ministro Relator Herman Benjamin (1) by Metropoles on Scribd

 

 

COMENTE

Gilmar MendesvotoHerman Benjaminchapa dilma-temerjulgamento TSE
comunicar erro à redação