*
 

Um professor da cidade de Jundiaí, em São Paulo, soube aproveitar (com maestria) o gosto dos alunos dele por programas de TV sobre investigações criminais para ensinar biologia. Erivaldo Ribeiro Júnior montou um projeto piloto — no estilo CSI: Crime Scene Investigation — na escola onde dá aula. Na “brincadeira”, os estudantes são os próprios investigadores de “crimes”. As informações são do G1.

Reprodução/G1/Erivaldo Junior/Arquivo PessoalJúnior contou à publicação que a proposta, considerada ousada, causou estranheza, mas empolgou os estudantes. “O objetivo era conhecer o corpo humano e desenvolver habilidades de observação e crítica.”

O professor explicou que a ideia surgiu quando começou a discutir sobre o corpo humano, dentro do conteúdo curricular. “Fiz perguntas para eles – como, por exemplo, em lado do corpo humano fica o fígado – e, para minha surpresa, muitos alunos tinham uma boa noção sobre a anatomia humana por serem fãs ávidos de séries como ‘CSI’, ‘Dr House’, ‘Monk’ e ‘Law & Order”.”

Crimes 
Divididos em grupos, os alunos montam os cenários usando a criatividade e as dicas que aprenderam em sala de aula. Eles usam lupas, microscópio, sangue falso vendidos em lojas de fantasias, corda, algodão e perucas para construção das vítimas, além de tecnologias para gravar e simular os cenários. A partir daí, os outros estudantes devem desvendar o caso, apresentando a solução aos colegas. O projeto inicial teve duração de dois meses, mas ganhou o aval da diretoria para continuar.

 

 

COMENTE

CSISão PauloCrime
comunicar erro à redação