*
 

A forte queda do dólar no exterior desencadeou um desmonte de posições compradas no segmento futuro, intensificando a realização de lucros no mercado doméstico nesta terça-feira (6/9) após avanços recentes. Lá fora, os principais catalisadores da onda de vendas foram indicadores mais fracos que o esperado nos Estados Unidos, que reforçaram a percepção de que o Federal Reserve ainda deve levar algum tempo para elevar os juros.

No mercado à vista, o dólar negociado no balcão fechou em queda de 2,12%, aos R$ 3,2120, valor mais baixo desde 22 de agosto, quando encerrou aos R$ 3,2013. Já a variação do dólar foi a mais intensa desde 28 de junho (-2,57%). De acordo com dados registrados na clearing da BM&FBovespa, o volume de negócios no segmento à vista somou US$ 1,437 bilhão.

A queda do dólar, que começou pela manhã, foi intensificada durante a tarde, em linha com as perdas do Dollar Index e o enfraquecimento divisa norte-americana ante moedas de mercados emergentes. No segmento futuro, o contrato de dólar para outubro perdeu 2,63%, aos R$ 3,2210, com giro de US$ 16,201 bilhões.

Hoje, o cenário doméstico ficou em segundo plano, mas os agentes financeiros continuam atentos à mobilização de Michel Temer em relação ao apoio político necessário para dar sequências ao seus esforços de ajuste fiscal e reformas. Também estão no radar as diferentes reações ao novo governo durante comemorações de Sete de Setembro, amanhã, quando o mercado do Brasil estará fechado. Na agenda internacional, o Federal Reserve divulga nesta quarta-feira o Livro Bege, sobre condições econômica no País. Já na quinta-feira, o Banco Central Europeu (BCE) anuncia decisão de política monetária, com pronunciamento do presidente da entidade, Mario Draghi, que pode indicar novas medidas de estímulo.

 

 

COMENTE

Dólarmercado de câmbiodólar em queda
comunicar erro à redação