*
 

A diretora de uma escola estadual em Guarujá, no litoral de São Paulo, foi espancada por dois adolescentes após denunciar irregularidades que teriam acontecido no local de trabalho. As agressões contra a mulher, que preferiu não se identificar, foram tão violentas que a deixaram com um traumatismo craniano. O caso ocorreu no último sábado (1º/10), mas só veio a público nesta sexta (7/10). As informações são do portal G1.

Para a mulher, as agressões visavam intimidá-la para que a investigação sobre as irregularidades não continuasse. Ela afirma que apontou à Secretaria de Educação três problemas encontrados na escola. O primeiro é que as notas fiscais da merenda de agosto apontavam alimentos diferentes do que os oferecidos na instituição. O segundo trata-se do sumiço de quatro televisões e de um microscópio com lupa eletrônica. Por fim, a docente avaliou que ocorreu desvio de recurso financeiro, pois havia serviços citados que nunca tinham sido realizados na escola.

No dia da agressão, ela estava em uma sala da escola com a vice-diretora quando dois rapazes que aparentavam ter 17 anos entraram para beber água e, em seguida, anunciaram um assalto. Ao reagir, a diretora levou uma pancada na cabeça e chutes dos garotos. A vice-diretora teria gritado “polícia, é um assalto”, mas em voz baixa, de acordo com o relato da vítima. Ao ouvirem o som de uma sirene, os rapazes fugiram do local.

Tanto a diretora quanto a vice-diretora fizeram boletim de ocorrência. A polícia investiga o caso. A vítima precisou ser afastada do trabalho temporariamente por causa do abalo emocional e dos hematomas no rosto e no corpo.

 

 

 

COMENTE

São Pauloguarujáagressão
comunicar erro à redação